Diminuto

Eu queria ser
Tudo o que você precisa.
Tudo o que você merece.
Tudo o que preconiza.

Eu queria ter
Tudo o que você quer.
Tudo que você deseja.
Tudo o que puder.

Eu queria…
Ser uma versão melhor de mim.
Oferecer a você sossego sem fim.
E deixar que você seja o que quiser.

Mas eu sou
Um pedaço estranho de uma pessoa qualquer.
Acumulado de medos, manias, meio mulher.
Que hora é tempestade
e outra hora é serena..
Mas que segue te amando, pequena.

Raquel Núbia

DSC_0121
Raquel Núbia. Foto: Leandro Oliveira – Tiradentes/MG

 

O estímulo nosso de cada dia

Por ter estudado tanto Motivação durante minha graduação e trabalhar esse conceito constantemente devido a minha área de atuação profissional, acredito que a motivação é algo intrínseco, peculiar de cada indivíduo e que o que pode ser feito para melhorá-la são estímulos constantes visando alcançar o “motivador” de cada um.
Sendo assim, hoje venho agradecer a todos os leitores que clicaram naquele botãozinho azul de “seguir”, pois nesta data completamos 701 seguidores! Apesar de o Verba Volant ter quase 03 anos, somente nos últimos 08 meses comecei a dedicar mais tempo para interagir com outros bloggers/escritores e para expandir os acessos ao meu/nosso blog e desde então o crescimento tem sido nítido e gratificante.
Números podem ser apenas números, mas podem ser também estímulos que motivam, e muito, quando penso que cada número desse representa uma pessoa que em algum momento teve e vai ter acesso ao conteúdo que eu escrevo aqui de tão longe da maioria de vocês.
E isso me faz ter vontade de continuar.
Quem leu o post que antecede a este, viu minha angústia quando parei de receber notificações do WordPress, porque pensei, de verdade, que minhas crônicas, vídeos e poesias não estavam mais agradando e alcançando ninguém… E se minhas palavras e melodias não podem mudar um segundo de uma vida sequer, então não há motivo para manter o Blog e sim voltar a ter apenas um diário.
Agradeço verdadeiramente a todos que interagem com minhas postagens, que curtem, comentam ou apelas leem sem deixar registros. Tento responder a todos e também estar atenta ao que vocês postam, pois me encontro em conteúdo de vários blogs daqui.
Não sei por quanto tempo essa motivação de manter as palavras sendo levadas pelo vento ainda vai se manter, mas ter cada um de vocês aqui contribui e muito para que isso aconteça.

Aproveito para convidar a todos para curtir também a página do Verba Volant no Facebook, que você pode acessar clicando aqui.

Um grande abraço,
Raquel Núbia

Imagem1

Ei, leitor! Preciso da sua ajuda! – WordPress

Caros Leitores,

Desde quando iniciei o blog sempre mantive ativo meu e-mail para notificações de curtidas e comentários nos post, pois isso facilita muito a nossa interação. Porém, há algumas semanas as notificações de curtidas não estão mais chegando, apenas as de comentários.
Verificando as configurações aqui no WordPress não encontrei nada que justificasse isso, pois eu não realizei nenhuma atualização e ainda utilizo o mesmo e-mail (gmail).
Alguém pode me ajudar a resolver o problema?
Nas minhas pesquisas em busca de solução não achei nada efetivo.
Se alguém puder me dar qualquer orientação, deixe nos comentários.
Agradeço demais!

Abraços,
Raquel Núbia

UPDATE: agradeço a todos que me enviaram os comentários e ao Igor que me deu a solução do problema. O WordPress tem os melhores Blogger/Escritores e o Verba Volant tem os melhores leitores/seguidores 🙂

 

help-and-support
Imagem retirada na internet

Aleivoso

Sei lá…
De repente,
todas as pessoas parecem iguais.
Em fotos e sorrisos tão irreais.
Transparecendo tão desbotadas,
em olhos vibrantes o desejo
do que quer ser.

Sei lá…
De repente,
fica tudo sem graça.
E não importa o que eu faça,
transborda um incômodo
dentro do peito e uma vontade
desaparecer.

Sei lá…
De repente
o errado sou eu.
Por me lembrar do que já se perdeu,
transportando o que eu vejo
para um lugar aonde as pessoas
não estão mais.

Sei lá…
De repente
ninguém está errado.
Só está cada um para um lado,
transmitindo o que acham
que sentem ou devem sentir
e isso satisfaz.

Sei lá…
De repente
não saber é o que resta.
E a vida do outro seja somente festa,
transpassando em uma linha de tempo
que é apenas
inacreditável.

Sei lá…
De repente
a cabeça pode não lembrar.
E dará um tempo para descansar.
Transformando todas as imagens,
sorrisos e olhares que vejo,
em um monte de lixo:
irrecuperável.

Raquel Núbia

Imagem2
Raquel Núbia. Foto: Leandro Oliveira – Tiradentes/MG

Cólera

Que ciúme que me abate
E essa tristeza insistente,
Escondido, num sussurro
Gritando uma dor latente.

Que ciúme que me rouba
O sorriso ou coisa parecida.
Que me abriga numa dor
No medo de ser esquecida.

Tão terrível sentimento,
Desenfreado e crescente.
Ciúme sopra no ouvido
Que não sou suficiente.

Sentimento tão terrível
Crescente, desenfreado.
Ouvido aberto pro ciúme
De quem sente não ser amando.

Raquel Núbia

img1496603457403-01
Raquel Núbia – Foto: Leandro Oliveira

O que é você

Continuando no intuito no post anterior, compartilho hoje mais um conteúdo antigo que ainda não havia sido postado. Essa é do ano de 2009:

“O que é você

Que abraço é esse?
Que braços são esses que insistem em me envolver?
Que abraço é esse que afasta o que há de ruim?
Que mãos são essas?
Que toque suave e ardente possuem…
Mãos que dizem tudo quando encontram minha pele…
Mãos poderosas que controlam até minha respiração…
Que boca é essa?
Que abriga o mais belo sorriso, que diz os maiores feitiços…
que beija o melhor dos beijos…
Que sonho é esse?
Que sonho é esse que insisto em viver?
Que tira eu sono, me revira na cama…
Que me enche por todos os poros com o sabor da incerteza
com essa dor de não saber…
Esse sonho que estampa no meu rosto o mais lindo sorriso,
que transfere para o papel o mais nobre sentimento…
Esse sonho são seus braços,
seu abraço,
suas mãos e sua boca…
Esse sonho é você.
Que teima em me fazer te querer cada vez mais.
Que faz com que cada dia seja a mais doce e prazerosa tortura,
por te amar tanto,
fazer você sentir esse amor e ainda assim,
não poder te ter, e ainda assim,
não poder dizer…”

Raquel Núbia

IMG_20160905_155306313
Foto: Raquel Núbia

Olhos Pequenos

Lendo meus cadernos antigos encontrei algumas produções e vou compartilha-las aqui nos próximos dias, começando com essa poesia de 2004. Curioso ver como a forma de escrever mudou… Nem melhor, nem pior, apenas diferente. Espero que gostem!

“Olhos pequenos

São pequenos os olhos que me olham.
São suaves as mãos que acariciam.
Presente intenso,
amor do dia.
Ao lado certo.
Nesses olhos de anjo,
refletem a beleza de um alguém
que sabe olhar com distinção
e ternura
ao mesmo tempo que olha
amando e com calor.
Envolve nos braços
um mundo de sentimentos
que confundem a cabeça e a alma.
Induz a pensamentos
coloca caminhos e imagens
perto de onde tudo se perde.
Causa sentimentos Inversos.
Faz brotar a fúria
banhada no ciúme,
tomada pela dor de ficar longe,
de sentir a dor de perder
todo o encanto pra outra…
São pequenos os olhos que me olham,
olhos que me mostram o mundo
mas que cercam o tudo
e é um prazer só meu
te ter, uma anjo ao meu lado.

Raquel Núbia

WP_20150405_014
Foto: Raquel Núbia

03° Indicação – Mystery Blogger Award

A querida Alessandra do Blog Caviar o Ovo Frito, que você pode conhecer clicando aqui, veio me informar em um singelo comentário, que havia me indicado para o Mystery Blogger Award. Neste mesmo comentário ela dizia que sabia que eu já havia sido indicada, mas que gostava de do meu Blog e por isso o estava indicando novamente… Sem problemas! Podem indicar quantas vezes quiserem 🙂
Devido as outras indicações, já fiz dois posts atendendo às exigências da indicação e você pode conferir o primeiro e o segundo. Sendo assim, respondo abaixo as 7 perguntas que a Alessandra deixou para os indicados dela:

1- Como escolheu e surgiu o nome do blog?

Como vocês já devem saber eu sou Psicóloga e sempre que vou ministrar algum curso ou alguma palestra gosto de procurar a origem etimológica das palavras relacionadas ao tema. Como o latim é nossa língua mãe, achei que seria interessante recorrer a ela no momento de criar o nome do Blog, então fiz uma pesquisa por expressões em latim comumente utilizadas hoje em dia e encontrei a expressão “verba volant scripta manent” – “palavras faladas voam para longe, palavras escritas permanecem” e achei o conceito interessante uma vez que o que eu escrevo aqui voa realmente para longe, até para fora do país, mas ao mesmo tempo permanece aqui por meio da escrita. A expressão é mais comumente empregada na área do Direito, mas me identifiquei com o significado.

2- Você acha que o seu blog tem o poder de transformar vidas e por que?

Eu acredito que tudo o que fazemos tem o poder de transformar vidas, basta que nossas ações encontrem a pessoa no exato momento em que ela está aberta para a transformação. Já tive relatos de leitores do blog e seguidores da página falando sobre como foram levados a refletir após a leitura de algum conteúdo meu. Então, ainda que esse não seja exclusivamente meu foco, eu acredito que o Verba Volant tem o poder de transformar vidas.

3- Como é sua rotina de postagem?

Eu não tenho exatamente uma rotina de postagens. Tenho muito conteúdo escrito que ainda não foi digitalizado, então tento digitalizar sempre que posso e programo as postagens para que sempre tenha algo novo no Blog. Entretanto tem aqueles dias que a gente produz “do nada” e, dependendo do tipo de produção ou inspiração aleatória, faço os posts no mesmo dia, pois sinto como se aquele conteúdo precisasse ser compartilhado. Outra ferramenta a qual costumo recorrer é a tag “Relembrando” que criei para compartilhar os conteúdos mais antigos do Blog, pois em setembro ele completa 03 anos, mas no início os acessos não eram tão altos como hoje, e tem muita coisa bacana que eu quero que meus leitores e seguidores vejam.

4- Como acha que poderíamos mudar o quadro de violência no Brasil?

Investindo em educação. E quando digo educação, não penso somente em sala de aula, mas em educação familiar. É necessário proporcionar às famílias uma condição de sobrevivência em que consigam dedicar seu tempo tendo como prioridade a educação dos filhos e das crianças ao redor. Fica muito complicado hoje cobrar uma criação de qualidade quando os pais passam grande parte do dia acumulando trabalhos para sustentar a família… E para as famílias que já possuem essa condição, o investimento teria que ser mais profundo para que percebam a importância da educação familiar para o desenvolvimento das crianças. Ao meu ver, esse é o único caminho.

5- Se você pudesse criar um mundo. Quais as cinco coisas que não poderiam faltar neste mundo e por que?

Não vou citar aqui as coisas básica como alimento, saúde, condições de existência, OK? Então vamos lá:

01 – Música. Porque por meio dela podemos nos expressar e expressar o que sentimos… Pra mim, a música tem poder 🙂

02 – Fones de ouvido. Porque, se vai ter música e cada um gosta de um tipo, ninguém é obrigado a ouvir o que o outro está ouvindo 😉

03 – Lápis de cor. Porque é uma ferramenta para liberarmos nossa criatividade quando nossa mente está cansada. Não precisamos pensar demais, nem criar demais… Apenas deslizar o lápis na folha…

04 – Folhas de papel. Porque escrever a mão, pra mim, tem muito mais significado do que digitar qualquer coisa. Até mesmo o tipo de letra que faço já diz muito do que estou sentindo no momento da escrita.

05 – Toalha. O Guia do Mochileiro das Galáxias faz algumas afirmações a respeito das toalhas. Segundo ele, a toalha é um dos objetos mais úteis para um mochileiro interestelar. Em parte devido ao seu valor prático: você pode usar a toalha como agasalho… pode deitar-se sobre ela… você pode dormir debaixo dela sob as estrelas que brilham… pode usá-la como vela para descer numa minijangada as águas lentas e pesadas do rio… pode enrolá-la em torno da cabeça para proteger-se de emanações tóxicas… você pode agitar a toalha em situações de emergência para pedir socorro; e naturalmente pode usá-la para enxugar-se com ela se ainda estiver razoavelmente limpa. Porém, o mais importante é o imenso valor psicológico da toalha. Por algum motivo, quando um estrito (isto é, um não-mochileiro) descobre que um mochileiro tem uma toalha, ele automaticamente conclui que ele tem também escova de dentes, esponja, sabonete, lata de biscoitos, garrafinha de aguardente, bússola, mapa, barbante, repelente, capa de chuva, traje espacial, etc., etc. Além disso, o estrito terá prazer em emprestar ao mochileiro qualquer um desses objetos, ou muitos outros, que o mochileiro por acaso tenha “acidentalmente perdido”. O que o estrito vai pensar é que, se um sujeito é capaz de rodar por toda a galáxia, acampar, pedir carona, lutar contra terríveis obstáculos, dar a volta por cima e ainda assim saber onde está a sua toalha, esse sujeito claramente merece respeito. (Trecho do Capítulo 3 do livro ‘O Guia do Mochileiro das Galáxias’ de Douglas Adams.)

mystery-blogger-award

Abraços,

Raquel Núbia

Relembrando: Nota

Quando tudo o que me restava foram as palavras para lidar com o que não sabia, o que me salvava da minha mente cheia, era a folha vazia… Engraçado como reler esse conteúdo hoje me faz pensar que, quando outras pessoas leem, interpretam de tantas formas diferentes o que era um sentimento tão simples. Hoje, relembrando, fico feliz por ter seguido em frente.

Nota

Ela é doce.
É delicada.
De pele alva, imaculada.

É inocente.
É tão quieta.
Não faz alarde, é discreta.

Ela é santa.
É raridade.
Uma criança, pouca idade.

É tela branca.
É distraída.
Boa com todas, sempre querida.

Ela ê prêmio.
E desconcerta.
Sempre mansa, sempre incerta.

É acuada.
É dominável.
Uma doçura, sempre amável.

Quanta estima,
E qualidades…
É singular o que Deus lhe deu.

É uma boneca,
Incomparável.
Ela é perfeita…

E não sou eu.”

Raquel Núbia

Nota
Imagem retirada da internet

Relembrando: Inquietude

As palavras simples abaixo foram publicadas pela primeira vez há um ano aqui e hoje as compartilho novamente relembrando um pouco da história do Verba Volant.

“Por você,
escrevo simples.
Simplesmente porque é o que queria dizer.
É como uma pequena estrela,
insistindo em brilhar
mesmo quando o céu se cobre de nuvens negras.
Há sempre um raio seu,
por vezes maior do que todos os raios do sol,
por outras,
menor do que um pequenino vaga-lume
perdido na mata.
Mas jamais se apaga.

E eu te amo por isso.
Por não me deixar em paz.”

Raquel Núbia

Imagem1
Imagem retirada da internet