Você tem valor

Uma das coisas mais importantes que devemos saber de nós mesmos é o nosso valor, o quanto valemos, o quanto somos importantes e bons, independente do reconhecimento que vem de fora. Nesse momento não sei dizer exatamente se isso se encaixa em ter autoestima, porque o que quero dizer é de sabermos o que e quem somos mesmo quando todo o mundo tenta nos convencer do contrário, quanto tudo e todos nos questionam.
O reconhecimento é uma das grandes fontes de estímulo para nos sentirmos motivados, a falta dele pode nos impactar grandemente, principalmente quando o desdém, o questionamento vem de onde achávamos que teríamos apoio e gratidão.
Quando o mundo ao redor zomba de nós e nos mostra pela força e autoridade do poder que, aos seus olhos, não temos sangue nobre, que nos misturamos à mesma categoria daqueles que são comuns, medianos, ainda que nossos resultados e comportamentos mostrem o contrário, nesse momento precisamos nos recordar que temos valor, que somos preciosos.
Em resumo, sem palavras bonitas, existe muita gente ruim no mundo, sem ética e inseguras, que precisam se provar pela diminuição do outro, pelo “crescimento” de qualquer jeito ainda que custe a paz ou o bem estar do outro.
Essas pessoas tendem a sugar nossa energia, nos fazer questionar nossa jornada, nossa vontade de continuar, trazem o sentimento de aprisionamento e subjugação por nem sempre encontramos saídas ou opções que nos tirem de onde estamos e assim ficamos sujeitos ao querer de quem não tem limites para o que deseja.
Nessa hora precisamos entoar um mantra constante até que possamos reaprender e acreditar novamente que o que sentimos é prioridade, que o que fazemos é importante e que nós somos joias raras e que, ainda que não nos seja dado, o tratamento condizente por terceiros, nós precisamos nos tratar de acordo com o valor que temos.

Raquel Núbia

2019-09-05
Foto: Raquel Núbia. Muriaé/MG
Anúncios

Relembrando: Para um amigo

O que nos restam são lembranças…

para um amigo

Para um amigo

Quando alguém que conhecemos morre, não se acaba somente o corpo.
Quando alguém que conhecemos morre, leva consigo um pedaço da gente, um pedaço da nossa história, das nossas memórias, um pedaço do caminho que nos fez chegar onde estamos.
Quando alguém que conhecemos morre, parte de nós também morre junto. Conversas, momentos, brincadeiras, sonhos que compartilhamos somente com aquela pessoa, tudo se vai também.
É como se uma parte importante da nossa vida fosse recortada… Recortada mas não apagada.
A gente fica triste pela saudade que sente, mas se entristece também por pensar quanta vida ainda existia naquela pessoa que se foi… Quantas coisas ainda pra fazer, quantos planos pra colocar em prática, quanto amor…
A gente chora por saber que não vai mais se esbarrar ou esbarrar sem querer nas notícias que sempre chegam das realizações que aconteciam… Carreira, projetos malucos, aventuras, o nascimento do filho…
Que loucura imaginar que alguém que mudou tanta coisa no passado de tanta gente, não vai mais existir no nosso futuro.
Mesmo que a companhia não seja constante nos dias de hoje, a companhia vivida nos dias de ontem não será esquecida.
Não será substituída.
Na vida a gente nasce e morre várias vezes, talvez com a morte de alguém querido, seja hora de morrermos juntos para nascer novamente.”

Raquel Núbia

Relembrando: Dejavú

dejavú

Dejavú

Hoje acordei com cara e gosto de ontem…
Sabe quando parece que o dia guarda um monte de coisa, mas na verdade essas coisas todas já aconteceram lá no passado? Uma viagem, um passeio, qualquer atividade… Não sei explicar direito, mas estou com essa sensação desde ontem a tardinha e hoje ela permaneceu.
Não sei se é o fato do sol estar entrando frio pela varanda da sala, com esse ventinho que lembra a gente que apesar do céu azul, o que domina é o tempo frio e tempo frio já sabe, né?
Dias claros me transportam, pequenos momentos me transportam… Conversas…
Realmente creio que não estou sabendo me fazer entender, mas precisava dizer, depois de meses sem escrever por aqui (e em qualquer outro lugar), hoje até essa vontade apareceu latente.
Enfim.
Acho que é comum esse tipo de sentimento. Não chega a ser uma nostalgia, é apenas como se o dia estivesse se repetindo, mas não está. É como se você acordasse em um dia do passado, com as mesmas características de outra época que você viveu, só que ao invés de fazer o que você fazia, você fará novas coisas, bem diferentes do que te trouxe a memória.
A vida passa. Muita coisa muda. As pessoas seguem seus caminhos de acordo com suas prioridades e não é preciso se comparar para saber se está bem ou satisfeito com o que se tem, pois cada um busca aquilo que acredita ser melhor para si e nem sempre esses interesses colidem entre as pessoas. Talvez por isso mudamos nossas companhias e quem queremos do nosso lado, pois buscamos aqueles que compartilham dos nossos desejos e nos ajudam a alcançá-los.
O dia pode ter acordado com sensação de passado, mas é o presente e o futuro que me guarda os maiores e melhores dias.”

Raquel Núbia

Relembrando: Dias de hoje

Publicada há dois anos aqui, infelizmente não creio que depois de tanto tampo essa crônica seja menos atual…

dias de hoje

“Dias de hoje

Parada na porta do meu prédio esperando minha carona quando um rapaz se aproxima. Coloco o telefone na bolsa e dou dois passos pra trás, pois o portão está aberto. Ele continua andando na minha direção e diz: ” A senhora me arruma um pouquinho de arroz e feijão? Não precisa se assustar não que eu não sou ladrão.” Triste.
Se a gente para pra pensar, sente o peito diminuir e inicia um questionamento que parece que não tem fim sobre tudo o que nos cerca. Sobre o por que das coisas estarem como estão, sobre o por que de tudo ter chegado onde chegou e, principalmente o que nós, tão pequenos indivíduos poderíamos ou ainda podemos fazer pra reverter, se é que há alguma coisa a ser feita.
A gente sente medo e nem sabe mais do que.
A gente se compadece mas nem sabe mais por quem.
A gente vive e nem sabe mais por que…”

Raquel Núbia

Relembrando: O mentiroso

Tantas formas de amar, mas ultimamente a que está mais em uso é amar sem se comprometer. Com inúmeras justificativas, tantos compromissos, afazeres, colocamos até mesmo a responsabilidade do nosso ato de amar sobre o outro…

o mentiroso

“O mentiroso

Me desculpe se sou a portadora de más notícias, se após ler esta crônica escrita as pressas sua visão de mundo ficará menos sonhadora e mais pessimista, mas preciso contar-lhe uma verdade: Michael Jackson mentiu para você.
Você se lembra de uma certa vez que ele te disse:
“Você não está sozinho, eu estou aqui com você. Mesmo que você esteja longe, eu vim para ficar. Você não está sozinho, eu estou aqui com você. Mesmo estando separados, você está sempre no meu coração. Você não está sozinho.”
Pois então: Liar, liar, pants on fire!

“Você não está sozinho, eu estou aqui com você”
Sim. Você e eu e todos os demais estamos sim sozinhos. Os outros que estão aqui para ficar, estão somente até o ponto e vírgula que separa o que nós precisamos e o que eles estão dispostos a dar. Tudo isso junto ao sentimento irrefutável de que se qualquer pessoa fez algo por você, ela cobrará mais tarde, mesmo que seja numa frase solta apenas para “reforçar” que não está esperando nada em troca.

“Mesmo que você esteja longe, eu vim para ficar.”
Não. Elas não estão para ficar. Acredito até que a permanência realmente seja o desejo delas e que, em algum momento, elas realmente tiveram fé de que isso aconteceria. Mas, não se engane, as pessoas sempre vão partir.

“Você não está sozinho, eu estou aqui com você.”
Volte ao segundo parágrafo.

“Mesmo estando separados, você está sempre no meu coração.”
Qual o tamanho da conveniência de quem te ama “separado” mas dentro do coração? Nosso mundo atual criou a melhor forma de amar. Aquela que se limita ao “estou longe mas estou aqui, se precisar de mim, me chame”. Sabe, eu não preciso que me levem nos corações. Seria bem melhor se esse lugar no coração fosse expresso em atitudes e que a distância da separação não fosse encarada como algo definitivo consertado por um espaço fictício dentro de um orgão que bombeia sangue.

“Você não está sozinho.”
Sim. Você está, meu caro.
Por isso ame, se importe, se doe, seja caridoso, faça o bem, lute por alguém… Mas sem jamais se esquecer de que o nosso rei do pop nos pregou uma peça e vem cantando repetidamente uma mentira grotesca em nossos ouvidos carentes e sedentos por um porto seguro.

Ao contrário do que costumamos dizer, essa é uma mentira que não tem perna curta. Mas eu te empresto a minha tesoura para que hoje, após ler minhas palavras azedas, você corte esse mal pela raiz.”

Raquel Núbia

Sobre as incertezas no caminho

A grande verdade é que, nessa vida, a gente tá sempre tentando acertar, tentando fazer a coisa certa, tomar as decisões corretas que nos ajudem a chegar onde precisamos, que evitem o nosso sofrimento ou daqueles que amamos.
Mas outra grande verdade é que, em grande parte das vezes ou, pelo menos em algumas delas, não temos a menor ideia do que estamos fazendo e apenas seguimos em frente na esperança de estarmos fazendo o melhor, torcendo pra que tudo dê certo e termine bem no final.
Se fortalecer nesse processo pode ser difícil e podemos nos sentir sensíveis, frágeis… Suscetíveis ao dizer e fazer dos outros. Esse processo pode ser cansativo, desgastante, mentalmente desafiador e nem sempre vamos nos manter confiantes e fortalecidos o tempo todo, mas percorrer o caminho é necessário, mesmo sem a certeza de quando haverá uma linha de chegada, nem sequer tendo a certeza de que essa linha existe.
É preciso ter bom ânimo e nisso tudo é preciso também aprendermos a contar com a gente mesmo acima de tudo e de todos.

Raquel Núbia

5F0C474D-C69A-40CF-A144-6085DF6A5558.jpeg
Foto: Raquel Núbia. Muriaé/MG

 

Relembrando: O sorriso da lua

o sorriso da lua

O sorriso da lua

Hoje o céu trouxe uma lua
Que sorriu pra mim…
Lá de longe ela me olhava
No breu de imensidão sem fim.

Essa lua, ali sorrindo
Quase me desafiava,
Pois no dia já vivido
A alegria não estava.

Aquela lua, testemunha…
Entre perdidos e achados.
Viu que quando eu fiz planos,
O universo jogou os dados.

Ela que antes era grande,
Num sorriso se reduziu.
Quase ao mesmo tempo
Em que o meu sorriso sumiu.

Lua de sorriso maroto…
De tamanha ironia,
Mostra sua alegria à noite,
Mas some na realidade do raiar o dia.”

Raquel Núbia

Relembrando: Atimia

Se tem um sentimento que se repete corriqueiramente dentro de mim e esse sentimento de um passado agarrado no presente ainda que longínquo…

atimia

Atimia

Tem hora que parece que volto no tempo e me voltam interesses de tanto tempo atrás. Eu começo a querer fazer coisas e ter sentimentos velhos, fico saudosa do que já vivi, as alegrias que tive e das coisas que já senti.
Bate uma nostalgia… uma falta de algumas pessoas, das histórias ligadas a elas, das situações, até dos cheiros, sensações, das roupas, dos planos e dos sonhos.
Quando menos espero, percebo que tudo isso está num passado tão distante, que essas pessoas das quais sinto saudade, aliás, mais nostalgia, estão em outro momento, assim como eu também estou, mas sem nem sequer devem se lembrar desse passado.
Eu tenho sempre saudade do céu azul limpinho e das manhãs frias que o acompanhavam… do sol quentinho das 9h30, do perfume e do cheiro das pessoas. De como costumava achar tudo tão importante e da vontade que tínhamos de resolver tudo de pressa.
Nossos maiores problemas estavam sempre no futuro e agora que o futuro chegou, o presente traz problemas tão maiores… nos quais eu não vejo importância, nem urgência, muito menos vontade.
O futuro chegou e eu acho que meu eu do passado não está nada orgulhoso do eu de hoje e assim eu não vivo nem lá, nem cá.
Por que as manhãs não podem ser sempre frias e de céu azul?”

Raquel Núbia

Relembrando: Os tombos pela estrada da vida

Uma coisa é certa, no caminho que percorremos pela vida, vamos cair. Por isso saber levar esses tombos e tão importante como saber se levantar…

os tombos pela estrada da vida

Os tombos pela estrada da vida

Passa dia, volta dia e vez ou outra o ponteiro cai de novo.
São horas a fio girando os pedais para fazer a roda girar mas depois das descidas à solto e das subidas difíceis as pernas adormecem e pedalar não é mais tão fácil assim.
Os pedais param e a bicicleta cai.
Sabe Deus quantas vezes esfregamos a poeira da roupa, sopramos os joelhos ralados e voltamos a nos equilibrar sabe se lá porque.
Mas em alguns dias os machucados doem mais e as penas simplesmente desobedecem. Não é que o corpo não segue as ordens da mente… É que até a cabeça quer parar.
Nessas horas nos recostamos na calçada e assistimos aos outros passarem, sozinhos, em bandos e imaginamos se vamos encontrar forças para alcança-los.
Assentados ali, num canto de asfalto, não há ninguém que compreenda porque paramos e há aqueles que ao nos verem tombar, optam por não enxergar, por não se envolver.
E então, sem mais nem menos, voltamos a pedalar… Sem vontade, sem esforço, seguindo um caminho que já está traçado. Evitando abrir novas trilhas. Afinal, sem desejo, pouco importa para onde vamos.
Seguimos apenas porque nos disseram que temos que ir”.

Raquel Núbia

Relembrando: Das dores que só a gente sente

Empatia seria a palavra… De tanto pronunciada, tão pouco compreendida ou vivida na prática. Será que ainda dá tempo? Vamos tentar?

das dores que só a gente sente

Das dores que só a gente sente

Em 15 dias tive dois processos inflamatórios na garganta. Em 17 dias foram 13 dias de antibióticos e ainda faltam 7. Tudo isso porque parece que a primeira leva de medicação não foi forte o suficiente para combater a infecção e isso só fez com que a recidiva esteja sendo ainda mais forte do que a primeira vez.
Enfim. Esse resumo todo apenas para chegar no ponto da questão.
Quem convive próximo a mim tem ouvido algumas reclamações e, dependendo do dia, muitas reclamações sobre as dores que tenho sentido devido às febres que vão e vem e devido a própria inflamação que dói o tempo todo.
Algumas escutam, outras não.
Algumas se importam, outras não.
Algumas acreditam, outras não.
E tudo isso simplesmente porque por mais que eu fale e explique a dor que tenho sentido, quem escuta apenas escuta, mas quem sente sou eu.
E não é assim como todas as nossas outras dores?
Por mais que possamos detalhar aonde, porque e o quanto doi, a sensação é exclusiva de quem sente e cabe ao outro somente acolher ou não. Apoiar ou não. Cuidar ou não. Acreditar ou não.
Desejo que sejamos sensíveis as dores alheias pois, chega uma hora que quem sofre se cansa de repetir o motivo e de lembrar ao outro constantemente o motivo de se sentir limitado, desanimado, cansado e até mesmo mal humorado…
Desejo que sejamos sensíveis às dores alheias assim como esperamos que sejam com as nossas.”

Raquel Núbia