Relembrando: Poema dos 60 versos

Daqueles poemas que a gente escreve sem perceber o tamanho do fluxo de pensamentos, até que se depara com versos intermináveis que poderiam ser ainda mais infinitos frente a enormidade do sentimento.

poema dos 60 versos

Poema dos 60 versos

Não fica assim, tão tristinha
acha que tenho lembranças suas
mas é você que tem lembranças minhas.

E não, você não é mais uma menina
e tão pouco, sou eu!
por que se esconde no presente
do que, no passado, aconteceu?

Cresce! Seja real!
Já não há normalidade
entre o que diz e o que faz,
entre suas mentiras e a verdade

Todo mundo tem seus demônios
Todo mundo guarda feridas…
O que você viveu não é nada demais!
É simples. É apenas a vida.

Você sabia que ela acontece?
e que as pessoas seguem os seus caminhos
e normalmente, deixam pra trás
quem os deixou seguir sozinhos?

Não seria essa a melhor opção?
e, se não for, que pelo menos seja genuína
e não se esconda por trás de sorrisos
e de uma aura que não combina.

Mas não se iluda, não engane a si mesmo
a sua imagem é memória solta que vai e vem, sempre a esmo.

Não se convença de que você
tem residência em outro pensamento,
você força sua presença
mas esvanece num só momento.

E o pensamento que lhe condiz
não é de quem você tanto mendiga
pois a quem, um dia, deu seu amor
tem asco e desdém, é náusea antiga.

Se estivesse perto certamente saberia…
e as gargalhadas e gozo ouviria.

Mas a presunção,
te prende num mundo que gira ao seu bel prazer,
enquanto o mundo de outros gira independente de você.

E sempre que alguém relata sua auto piedade,
a descrença é presente, pois não há sanidade.

Veja só quantos são os versos
e poderia continuar,
num poema que não tem fim,
que diz tudo o que quero falar.

Sei que minhas palavras ao vento são migalhas,
que te alimentam e recompensam a sua loucura.
Mas, sinceramente não me importo.
Se alimente delas e as tempere com sua amargura.

Pra quem tanto falava em consciência pesada,
congratulações pela postura fracassada!
Pois aos meus olhos e aos de quem você chama de amigos,
são os seus pensamentos seus piores inimigos.

Recolhe os pedaços do seu coração,
e tenta andar sem olhar pra trás,
pois a vida que vivem aqueles que odeia,
certamente não lhe trará paz.

Não existe essa história de vida perfeita!
basta saber o que fazer com as decepções
E pode jogar praga e pode agourar,
Jamais vai tocar nesses dois corações.”

Raquel Núbia

Relembrando: Déjà Vu

Dos meu sentimentos, o mais conhecido…

déjà vu

Déjà Vu

Tem dia que parece que nasce com cara de passado.
Com cheiro de ontem
e com passarinho cantarolando música repetida…

Tem dia que nasce com cara de lembrança.
Com cores de outra hora
e com parágrafos e pontos de história vivida.

Tem dia que nasce com vento soprando o céu frio.
Com jeito de câmera lenta
e com sons que despertam de dentro da cabeça.

Tem dia que parece reviver de outro tempo.
Com reprises da vida
e com memórias despertas até que adormeça.

Tem dia que nasce turrão e antigo.
Com o rosto conhecido
e com o elo forte que mostra passado e presente unidos.

Tem dia que começa com jeito de monotonia.
Com a mão estendida
e com os braços abertos para melancolia.

Tem dia.”

Raquel Núbia

Relembrando: Meu lugar

meu lugar

Meu lugar

Toma.
Eu te empresto o meu lugar,
Se é disso que você precisa.
Pode vir quando quiser.
Vem em segredo, nem avisa.

Toma.
Eu te empresto o meu lugar.
Se é isso que você deseja,
Entra, senta e desfruta,
Mesmo que eu não esteja.

Toma.
Eu te empresto o meu lugar.
Se minhas águas são espelho
Olhe e reflita muito,
Mas segue esse meu conselho.

E toma…
Pode andar por todo ele.
Pode sorrir, chorar e ter memórias.
Pode guardar lembranças
E construir novas histórias.

Mas não se esqueça,
Que é somente emprestado.
Esse lugar que em sonho é seu,
É meu e jamais lhe será dado”.

Raquel Núbia

Relembrando: Faz de conta

faz de conta

Faz de conta

Tem hora
que a gente finge ser adulto,
em que a gente fica gigante,
se finge de gente grande.

Tem hora
que a gente esmaga os problemas
E o que mais aparecer,
que fica fácil resolver.

Tem hora
que a gente comanda toda vida.
que a gente é rei e rainha
e nem vê que ta sozinha.

Mas…

Tem hora
que a gente desaparece
e até se esquece
do adulto que quis ser.

Tem hora
que a gente se desespera
e fica na espera de,
quando tudo passar, crescer.”

Raquel Núbia

Relembrando: Diminuto

diminuto

Diminuto

Eu queria ser
Tudo o que você precisa.
Tudo o que você merece.
Tudo o que preconiza.

Eu queria ter
Tudo o que você quer.
Tudo que você deseja.
Tudo o que puder.

Eu queria…
Ser uma versão melhor de mim.
Oferecer a você sossego sem fim.
E deixar que você seja o que quiser.

Mas eu sou
Um pedaço estranho de uma pessoa qualquer.
Acumulado de medos, manias, meio mulher.
Que hora é tempestade
e outra hora é serena..
Mas que segue te amando, pequena.”

Raquel Núbia

Relembrando: Aleivoso

Tem hora que dá vontade de entrar dentro da tela (seja do computador ou do telefone) pra ir viver essa vida que é postada e divulgada… Pular pra dentro das fotos saturadas e dos feeds perfeitos, dos stories “espontâneos” e ser a personificação da plenitude estampada nessas redes que estão mais para teias e nos prendem como uma presa quando menos percebemos…

aleivoso

Aleivoso

Sei lá…
De repente,
todas as pessoas parecem iguais.
Em fotos e sorrisos tão irreais.
Transparecendo tão desbotadas,
em olhos vibrantes o desejo
do que quer ser.

Sei lá…
De repente,
fica tudo sem graça.
E não importa o que eu faça,
transborda um incômodo
dentro do peito e uma vontade
desaparecer.

Sei lá…
De repente
o errado sou eu.
Por me lembrar do que já se perdeu,
transportando o que eu vejo
para um lugar aonde as pessoas
não estão mais.

Sei lá…
De repente
ninguém está errado.
Só está cada um para um lado,
transmitindo o que acham
que sentem ou devem sentir
e isso satisfaz.

Sei lá…
De repente
não saber é o que resta.
E a vida do outro seja somente festa,
transpassando em uma linha de tempo
que é apenas
inacreditável.

Sei lá…
De repente
a cabeça pode não lembrar.
E dará um tempo para descansar.
Transformando todas as imagens,
sorrisos e olhares que vejo,
em um monte de lixo:
irrecuperável.”

Raquel Núbia

Relembrando: O sorriso da lua

o sorriso da lua

O sorriso da lua

Hoje o céu trouxe uma lua
Que sorriu pra mim…
Lá de longe ela me olhava
No breu de imensidão sem fim.

Essa lua, ali sorrindo
Quase me desafiava,
Pois no dia já vivido
A alegria não estava.

Aquela lua, testemunha…
Entre perdidos e achados.
Viu que quando eu fiz planos,
O universo jogou os dados.

Ela que antes era grande,
Num sorriso se reduziu.
Quase ao mesmo tempo
Em que o meu sorriso sumiu.

Lua de sorriso maroto…
De tamanha ironia,
Mostra sua alegria à noite,
Mas some na realidade do raiar o dia.”

Raquel Núbia

Luminoso

Sou tão jovem e nada sei,
Mas sei que guardo em mim
um amor imensurável,
um amor sem fim.

Te olho nos olhos e vejo
a imensidão em um ser tão pequeno.
Que é grande no que faz sentir,
que é tormenta e que é sereno.

Um pedaço de mim que vive.
Que respira e bate coração.
A obra perfeita do Pai
que pedi em oração.

De tudo que eu não conheço,
e das coisas que um dia eu vi,
é o amor mais absoluto
que transborda do peito a sorrir.

Sou tão jovem e pouco sei,
mas sei que tenho em você,
um amor inabalável,
um amor que jamais vai morrer.

Raquel Núbia

IMG_5844.JPG
Foto: Raquel Núbia

Aspiração

Quem me dera ser aquela que, com barulho, fecha a porta.
Ser ajuda que não sabe o que importa.
Quem me dera ficar fora e voltar pra uma parcela,
fracionar a vida e viver só parte dela.
Quem me dera levantar e sair por onde entrei,
me deitar e nem lembrar se eu sonhei.
Quem me dera ter o luxo de ser tantos e um só.
Ver a dor e no meu peito não ter dó.
Quem me dera a segurança de achar que estou certa,
e ter, após tantas coisas, mente aberta.
Quem me dera a chance de ser colo temporário,
ter caminhos que não são tão solitários.
Quem me dera ter vontade pra outras coisas e energia,
ter noite inteira de descanso ao fim do dia.
Quem me dera eu tivesse tanta facilidade…
e em coisas fúteis encontrar felicidade.
Quem me dera a esperança de dias melhores a espera,
De esquecer palavras duras,
curar feridas,
quem me dera…

Raquel Núbia

IMG_3312.JPG
Raquel Núbia. Foto: Leandro Oliveira – Alto Caparaó/MG

Aquele que pertence à luz

De todos os anjos do céu,
De todas as pessoas do mundo,
Dos sentimentos mais puros,
Do sentimento profundo.
De toda jovialidade,
Da falta de sabedoria,
Do amor que brota e cresce,
Da imensidão de cada dia.
Dos olhos que me buscam,
Do toque tão pequeno,
Do rosto angelical,
Do olhar sereno.
Da miudez de uma vida,
Da grandeza do sentimento,
Do amor incondicional,
Do vínculo de cada momento.
Da preocupação com bem estar,
Do desejo de plenitude,
Da vontade de ser tudo,
Do medo da juventude.
Do laço inquebrável,
Do dar-se sem perceber,
Do coração mais puro e terno,
Da nova vida a crescer.
De todos os erros e acertos,
Dos medos que se sente,
Do esforço diário e contínuo,
Da relação que brota da gente.
De tudo o que se aprende,
Do tanto que ainda não se sabe,
Do pouco que dá pra fazer,
Do mundo que me cabe.
Da sinceridade da insegurança,
De não ser o que é necessário,
Da vida que cabe nas mãos,
Do compromisso diário.
De todos os anjo do céu,
De um Deus que me dá guarida,
De um amor que é inexplicável,
De sempre, pra sempre, minha vida.

Raquel Núbia

IMG_6042_Facetune_20-05-2019-16-21-32.jpg
Foto: Raquel Núbia