Sobre as incertezas no caminho

A grande verdade é que, nessa vida, a gente tá sempre tentando acertar, tentando fazer a coisa certa, tomar as decisões corretas que nos ajudem a chegar onde precisamos, que evitem o nosso sofrimento ou daqueles que amamos.
Mas outra grande verdade é que, em grande parte das vezes ou, pelo menos em algumas delas, não temos a menor ideia do que estamos fazendo e apenas seguimos em frente na esperança de estarmos fazendo o melhor, torcendo pra que tudo dê certo e termine bem no final.
Se fortalecer nesse processo pode ser difícil e podemos nos sentir sensíveis, frágeis… Suscetíveis ao dizer e fazer dos outros. Esse processo pode ser cansativo, desgastante, mentalmente desafiador e nem sempre vamos nos manter confiantes e fortalecidos o tempo todo, mas percorrer o caminho é necessário, mesmo sem a certeza de quando haverá uma linha de chegada, nem sequer tendo a certeza de que essa linha existe.
É preciso ter bom ânimo e nisso tudo é preciso também aprendermos a contar com a gente mesmo acima de tudo e de todos.

Raquel Núbia

5F0C474D-C69A-40CF-A144-6085DF6A5558.jpeg
Foto: Raquel Núbia. Muriaé/MG

 

Sobre cactos e pessoas

Meses atrás ganhei dois vasinhos de cactos como lembrança de um aniversário que fui. Me disseram que só precisava aguar uma vez por semana, que não eram necessários muitos cuidados. Ok.
Meses passando e os cactos lá nos vasinhos, um cresceu mais e o outro continuava do mesmo tamanho. Continuei cuidando dos dois e eles foram perseverando, o que pra mim foi uma vitória visto que todas as plantas que eu havia tido até então morriam rapidamente.
Dia desses minha mãe foi aguar os cactos e disse algo mais ou menos assim: “esse aqui cresceu, mas esse outro não. Achei que estavam vivos, mas quando cheguei perto vi que estavam mortinhos”.
A poesia dessa frase é tão triste quando verdadeira e não pude deixar de pensar nisso depois… Afinal quantas vezes não é exatamente essa a sensação que temos, de que o que parecia vivo de longe, de perto está morto?
Óbvio que é uma analogia, mas ao meu ver se aplica a tantas coisas… Dia a dia convivendo com pessoas, comparando-as as outras, como ao cacto que cresceu, inferindo que os cuidados iguais satisfazem a todos da mesma forma, que suprem necessidades, lamentando pelo que vemos de ruim (que pena que esse outro cacto não cresceu), mas sem chegarmos perto o suficiente pra vermos o que realmente está acontecendo – o cacto morreu.
Sentimentos estão morrendo todos os dias, esperanças morrendo, sonhos morrendo, expectativas morrendo, alegrias morrendo todos os dias e, nós de longe, nem sequer notamos até que seja tarde demais. Até que as raízes estejam tão secas que a água não consiga mais penetrar levando a vida.
Não é porque um cacto cresceu que o outro tem que crescer. Não é porque um cacto se satisfez com pouca água que o outro tem que se satisfazer. Nem o mesmo solo, nem as mesmas condições climáticas garantiram o mesmo destino à essas duas plantinhas, o que dirá a nós mesmos.
Olhe à sua volta.
Encontre os cactos que merecem sua admiração, mas se esforce para encontrar aqueles que apenas aparentam viver enquanto morrem por dentro.
Seja água.

Raquel Núbia

531BC3AA-8A95-4FC8-86D0-1B66AF5593C8.jpeg
O cacto sobrevivente. Foto: Raquel Núbia

Descanse em paz

Um dia seremos lembrança na memória de alguém e, talvez, nem isso seremos. Um dia, quando menos esperarmos, sem mesmo perceber, perderemos pessoas e pessoas nos perderão.
Tantas coisas pra fazer, tanto com o que se preocupar, tanto sentimento pra nutrir.
Quantas mágoas guardamos à espera de uma resolução no futuro? Quanto orgulho nos impede de darmos os passos necessários para um reencontro, uma reconciliação? Simplesmente porque acreditamos que sempre teremos uma outra oportunidade.
Quantas vezes nos dedicamos às nossas prioridades, conquistamos objetivos, vivemos cada dia intensamente, imersos em nossa rotina, correndo o risco de abdicarmos de um momento para refletirmos sobre o que deixamos pelo caminho, inacabado, sem conclusão ou fechamento.
É tanto tempo que gastamos nutrindo sentimentos passados, imaginando como as coisas seriam, mas ainda assim sem coragem de agirmos para corrigir os erros e tropeços vividos.
Não, nós não temos todo o tempo do mundo. Somos eternos apenas nos corações daqueles que verdadeiramente nos amam, mas não somos infinitos na vida. A vida acaba e, num piscar de olhos, não teremos mais amanhã, não teremos mais novas chances, não teremos mais um novo dia para recomeçar.
O amanhã nem sempre chega, o dia de hoje nem sempre termina. O agora é tudo o que temos.

Raquel Núbia

CF047A4B-29E4-43B5-967D-DDC9D6BCD888.jpeg
Imagem retirada da internet 

 

Luminoso

Sou tão jovem e nada sei,
Mas sei que guardo em mim
um amor imensurável,
um amor sem fim.

Te olho nos olhos e vejo
a imensidão em um ser tão pequeno.
Que é grande no que faz sentir,
que é tormenta e que é sereno.

Um pedaço de mim que vive.
Que respira e bate coração.
A obra perfeita do Pai
que pedi em oração.

De tudo que eu não conheço,
e das coisas que um dia eu vi,
é o amor mais absoluto
que transborda do peito a sorrir.

Sou tão jovem e pouco sei,
mas sei que tenho em você,
um amor inabalável,
um amor que jamais vai morrer.

Raquel Núbia

IMG_5844.JPG
Foto: Raquel Núbia

Aspiração

Quem me dera ser aquela que, com barulho, fecha a porta.
Ser ajuda que não sabe o que importa.
Quem me dera ficar fora e voltar pra uma parcela,
fracionar a vida e viver só parte dela.
Quem me dera levantar e sair por onde entrei,
me deitar e nem lembrar se eu sonhei.
Quem me dera ter o luxo de ser tantos e um só.
Ver a dor e no meu peito não ter dó.
Quem me dera a segurança de achar que estou certa,
e ter, após tantas coisas, mente aberta.
Quem me dera a chance de ser colo temporário,
ter caminhos que não são tão solitários.
Quem me dera ter vontade pra outras coisas e energia,
ter noite inteira de descanso ao fim do dia.
Quem me dera eu tivesse tanta facilidade…
e em coisas fúteis encontrar felicidade.
Quem me dera a esperança de dias melhores a espera,
De esquecer palavras duras,
curar feridas,
quem me dera…

Raquel Núbia

IMG_3312.JPG
Raquel Núbia. Foto: Leandro Oliveira – Alto Caparaó/MG

Aquele que pertence à luz

De todos os anjos do céu,
De todas as pessoas do mundo,
Dos sentimentos mais puros,
Do sentimento profundo.
De toda jovialidade,
Da falta de sabedoria,
Do amor que brota e cresce,
Da imensidão de cada dia.
Dos olhos que me buscam,
Do toque tão pequeno,
Do rosto angelical,
Do olhar sereno.
Da miudez de uma vida,
Da grandeza do sentimento,
Do amor incondicional,
Do vínculo de cada momento.
Da preocupação com bem estar,
Do desejo de plenitude,
Da vontade de ser tudo,
Do medo da juventude.
Do laço inquebrável,
Do dar-se sem perceber,
Do coração mais puro e terno,
Da nova vida a crescer.
De todos os erros e acertos,
Dos medos que se sente,
Do esforço diário e contínuo,
Da relação que brota da gente.
De tudo o que se aprende,
Do tanto que ainda não se sabe,
Do pouco que dá pra fazer,
Do mundo que me cabe.
Da sinceridade da insegurança,
De não ser o que é necessário,
Da vida que cabe nas mãos,
Do compromisso diário.
De todos os anjo do céu,
De um Deus que me dá guarida,
De um amor que é inexplicável,
De sempre, pra sempre, minha vida.

Raquel Núbia

IMG_6042_Facetune_20-05-2019-16-21-32.jpg
Foto: Raquel Núbia

Avelhantado

De tempo em tempo eu me reconheço como uma alma velha presa num corpo ainda a envelhecer. Às vezes experimento um cansaço das coisas, fatos e pessoas que somente almas velhas poderiam sentir… Ao mesmo tempo cultivo sentimentos velhos, empoeirados, que ficam guardados lá no fundo de uma gaveta tão velha quanto que de vez em quando o inconsciente deixa abrir, trazendo à consciência aquele cheiro de naftalina que conserva o que senti há tanto tempo e que insisto em manter guardado, mesmo sabendo que mantendo-os chegará o momento em que eles serão lembrados, ainda que não por vontade própria.
Tais sentimentos velhos são acordados por cheiros, pelo clima, por palavras, pelos meses que se repetem ano a ano e devolvem as lembranças do passado.
Tem dia que a gente acorda com gosto de ontem, do mês passado, dos anos anteriores, do que vivemos e nos marcou, do que ficou inacabado, do que não foi dito, do que foi pensado e repensado, do que nos disseram e do que nos fizeram silenciar.
Sentimentos velhos não me acrescentam em nada… Acredito que não acrescentam nada a ninguém, mas nem sempre disponho da energia de uma alma jovem para lembrar de esquecer.

Raquel Núbia

IMG_4183
Foto: Raquel Núbia

Casulo

Em dados momentos na nossa vida, passamos por algumas situações que fazem com que nos reinventemos, repensemos, nos transformemos e isso pode exigir muito esforço. Algumas fases, ainda que boas, demandam muito empenho para que não nos percamos em meio às dificuldades, às novas rotinas, ao que precisamos aprender e desenvolver que tira de nós toda nossa força, drenando a energia que precisamos para focar no que é bom e superar o que é ruim e passageiro.
Para manter esse foco no positivo é preciso força, por incrível que pareça, manter a mente bem parece ser algo natural, mas existe sempre aquela tendência de voltarmos nossa atenção para o que é ruim, para às dificuldades e para o que não temos e tudo isso pode ser alimentado pela culpa que sentimos quando não sabemos ser feliz.
Acredito sempre que existe momento pra tudo, inclusive para o cansaço, para o desânimo e para a tristeza. Mas também acredito que, em certa hora nessa tormenta, precisamos ser capazes de nos olharmos e nos reconhecermos. Encontrarmos em nós o que pensávamos ter perdido, ter esquecido.
Por mais que estejamos fadigados, nossa essência se mantém. Temos apenas que lembrar que tudo passa e que, em algum lugar dentro da gente, se encontra quem realmente somos, esperando para se libertar quando a hora chegar.

Raquel Núbia

IMG_20170615_124029792_HDR.jpg
Foto: Raquel Núbia – Tiradentes/MG

Da janela

Tenho visto a vida
Passar pela janela.
Tenho visto a manhã clarear
E tudo o que vem com ela.

Da janela eu vejo gente,
Vejo carros e vida a passar.
Cada um com seu destino,
Na pressa de seu caminhar.

Minhas horas, que hoje eu conto,
Passam de forma diferente.
É da janela que os ponteiros somam,
Ao passar de tanta gente.

Da janela eu vejo a tarde,
Que vira noite, impiedosa.
E depois são madrugadas
Que são sempre melindrosas.

Da janela eu observo,
Pois o que me cabe é solidão.
De acompanhada estar só
E ver bater fora de mim, meu coração.

Raquel Núbia

299AE43E-A8EC-4EB1-9451-1F5F22CA50A5.jpeg
Foto: Raquel Núbia