Relembrando: Os tombos pela estrada da vida

Uma coisa é certa, no caminho que percorremos pela vida, vamos cair. Por isso saber levar esses tombos e tão importante como saber se levantar…

os tombos pela estrada da vida

Os tombos pela estrada da vida

Passa dia, volta dia e vez ou outra o ponteiro cai de novo.
São horas a fio girando os pedais para fazer a roda girar mas depois das descidas à solto e das subidas difíceis as pernas adormecem e pedalar não é mais tão fácil assim.
Os pedais param e a bicicleta cai.
Sabe Deus quantas vezes esfregamos a poeira da roupa, sopramos os joelhos ralados e voltamos a nos equilibrar sabe se lá porque.
Mas em alguns dias os machucados doem mais e as penas simplesmente desobedecem. Não é que o corpo não segue as ordens da mente… É que até a cabeça quer parar.
Nessas horas nos recostamos na calçada e assistimos aos outros passarem, sozinhos, em bandos e imaginamos se vamos encontrar forças para alcança-los.
Assentados ali, num canto de asfalto, não há ninguém que compreenda porque paramos e há aqueles que ao nos verem tombar, optam por não enxergar, por não se envolver.
E então, sem mais nem menos, voltamos a pedalar… Sem vontade, sem esforço, seguindo um caminho que já está traçado. Evitando abrir novas trilhas. Afinal, sem desejo, pouco importa para onde vamos.
Seguimos apenas porque nos disseram que temos que ir”.

Raquel Núbia

Anúncios

Descanse em paz

Um dia seremos lembrança na memória de alguém e, talvez, nem isso seremos. Um dia, quando menos esperarmos, sem mesmo perceber, perderemos pessoas e pessoas nos perderão.
Tantas coisas pra fazer, tanto com o que se preocupar, tanto sentimento pra nutrir.
Quantas mágoas guardamos à espera de uma resolução no futuro? Quanto orgulho nos impede de darmos os passos necessários para um reencontro, uma reconciliação? Simplesmente porque acreditamos que sempre teremos uma outra oportunidade.
Quantas vezes nos dedicamos às nossas prioridades, conquistamos objetivos, vivemos cada dia intensamente, imersos em nossa rotina, correndo o risco de abdicarmos de um momento para refletirmos sobre o que deixamos pelo caminho, inacabado, sem conclusão ou fechamento.
É tanto tempo que gastamos nutrindo sentimentos passados, imaginando como as coisas seriam, mas ainda assim sem coragem de agirmos para corrigir os erros e tropeços vividos.
Não, nós não temos todo o tempo do mundo. Somos eternos apenas nos corações daqueles que verdadeiramente nos amam, mas não somos infinitos na vida. A vida acaba e, num piscar de olhos, não teremos mais amanhã, não teremos mais novas chances, não teremos mais um novo dia para recomeçar.
O amanhã nem sempre chega, o dia de hoje nem sempre termina. O agora é tudo o que temos.

Raquel Núbia

CF047A4B-29E4-43B5-967D-DDC9D6BCD888.jpeg
Imagem retirada da internet 

 

Relembrando Pueril

Ah… A gente só cresce porque é obrigado, não é? Porque é o curso natural da vida… Mas não dá pra negar que a gente sente aquela falta das tardes infinitas de brincadeiras e irresponsabilidades…

pueril

Pueril

Por que a gente tem que crescer?
Eu não me lembro de, quando ainda criança, querer ser adulta… Já adolescente eu fazei muita coisa que queria fazer. Não esperada “crescer” para alcançar nada em especial e hoje, já mulher feita, sinto alguns dias a vontade e a saudade da tranquilidade de outrora.
Do sábado de manhã na cama, ouvindo a máquina de lavar roupa rodando lá na área. Da lasanha de domingo ficando pronta sempre na mesma hora. Da sopa de macarrão pra curar gripe…
Hoje, se o corpo doi com resfriado, é esse mesmo corpo que tem que ir atrás do remédio e do copo de água… E a sopinha vai ficando pra outra hora…
Eu sei que por um período de tempo fui mal acostumada, eu confesso, mas quem é que não gosta de uma mordomia, não é?
Hoje eu tento não esperar esse cuidado de outros… Ninguém cuida da gente como a nossa mãe e às vezes esse cuidado não cabe mais.
Mas tem aquele dia que a gente tá com aquela vontade de que alguém apareça e resolva nossas dores e decida nossas indecisões, como se voltássemos a ser um neném que é levado pra lá e pra cá conforme a necessidade dos pais.
Só que de neném aqui não tem nada. E se a gente mesmo não se levante e vai, ninguém se levanta e vai por nós”.

Raquel Núbia

Aquele que pertence à luz

De todos os anjos do céu,
De todas as pessoas do mundo,
Dos sentimentos mais puros,
Do sentimento profundo.
De toda jovialidade,
Da falta de sabedoria,
Do amor que brota e cresce,
Da imensidão de cada dia.
Dos olhos que me buscam,
Do toque tão pequeno,
Do rosto angelical,
Do olhar sereno.
Da miudez de uma vida,
Da grandeza do sentimento,
Do amor incondicional,
Do vínculo de cada momento.
Da preocupação com bem estar,
Do desejo de plenitude,
Da vontade de ser tudo,
Do medo da juventude.
Do laço inquebrável,
Do dar-se sem perceber,
Do coração mais puro e terno,
Da nova vida a crescer.
De todos os erros e acertos,
Dos medos que se sente,
Do esforço diário e contínuo,
Da relação que brota da gente.
De tudo o que se aprende,
Do tanto que ainda não se sabe,
Do pouco que dá pra fazer,
Do mundo que me cabe.
Da sinceridade da insegurança,
De não ser o que é necessário,
Da vida que cabe nas mãos,
Do compromisso diário.
De todos os anjo do céu,
De um Deus que me dá guarida,
De um amor que é inexplicável,
De sempre, pra sempre, minha vida.

Raquel Núbia

IMG_6042_Facetune_20-05-2019-16-21-32.jpg
Foto: Raquel Núbia

Da janela

Tenho visto a vida
Passar pela janela.
Tenho visto a manhã clarear
E tudo o que vem com ela.

Da janela eu vejo gente,
Vejo carros e vida a passar.
Cada um com seu destino,
Na pressa de seu caminhar.

Minhas horas, que hoje eu conto,
Passam de forma diferente.
É da janela que os ponteiros somam,
Ao passar de tanta gente.

Da janela eu vejo a tarde,
Que vira noite, impiedosa.
E depois são madrugadas
Que são sempre melindrosas.

Da janela eu observo,
Pois o que me cabe é solidão.
De acompanhada estar só
E ver bater fora de mim, meu coração.

Raquel Núbia

299AE43E-A8EC-4EB1-9451-1F5F22CA50A5.jpeg
Foto: Raquel Núbia

Pensamento positivo

Em alguns momentos fica difícil manter o espírito elevado, o pensamento positivo e a energia pulsando. O cansaço físico invade a mente e as dores do corpo fazem companhia. Tantos dias seguidos e percebe-se que o que era fácil se tornou um pouco mais complicado, o que antes era comum e orgânico, hoje exige um esforço maior e às vezes nem o esforço permite a conclusão.
Tem sido necessário o costume aos novos limites do corpo, ainda que temporário, pois o impacto no cotidiano é grande, principalmente quando a lentidão dos movimentos não acompanha a pressa dos pensamentos.
O corpo, num desgaste acumulado, implica no estado e no fluxo de pensamentos. É algo biológico, as conexões ficam mais lentas… Esse impedimento imposto, demanda um reajuste que não é fácil. Quando a gente se condiciona a não esperar o outro e tomar a ação das coisas por nossas próprias mãos, qualquer forma de dependência é sofrida, acima de tudo quando precisamos pedir pelo auxílio e esperar que ele venha no tempo no outro e não no nosso.
O ato de pedir ajuda já é custoso. Será que as pessoas não conseguem ver?
A forma de contar o tempo muda e de repente esse tempo se torna uma contagem regressiva que traz um monte de outros pensamentos e desafios, mas também trazem a esperança de que no final a gente volte a ser mais como nós mesmos e, principalmente, que as dores desapareçam.
Saber que há um prazo facilita a lidar com elas, mas não as tornam menos piores. Acho que lidar com dor é assim, seja ela de que tipo for.
Cada um sabe da sua e cada um sabe o que lhe causa.
Ainda assim é preciso manter a clareza na mente e saber separar a gravidade do que se sente e o quanto a situação é permanente: Não é um momento ruim, são apenas dias difíceis e esses dias também são feitos para serem vividos.

Raquel Núbia

2019-02-12
Raquel Nubia. Foto: Leandro Oliveira

 

Alvorecer

A manhã, em suas primeiras horas, quando o céu ainda se colore com os primeiros raios de sol, com aquele vento fresco e com o silêncio que domina as ruas, antes de ser invadido por carros, motos, pessoas perambulando e tantos compromissos, guarda em sua quietude uma infinidade de momentos dentro de poucos instantes.
Observar toda a calma e sincronia do que nos cerca, nos minutos que temos antes de embarcar em mais uma aventura que é viver o dia a dia, pode nos permitir um breve momento de paz, onde podemos nos reconectar com o que deixamos pra trás na noite anterior ou, num relance, podemos nos reconectar com o que deixamos pra trás dentro de nós mesmos, há tanto tempo.
Há tanta beleza nesse breve momento, onde podemos ver o novo dia se iluminando em frente aos nossos olhos e, mesmo que tenhamos uma agenda cheia, muitas vezes com coisas que não gostaríamos de fazer e pessoas que gostaríamos de não encontrar, ainda assim, esse simples colorir amarelo alaranjado do céu nos promete tanto e coloca em nossas mãos a sagrada chance de recomeçar.
Nada é garantido. Nunca sabemos se teremos a nova oportunidade de presenciar esse renascimento. Então, por esse breve instante, ao olhar para as ruas vazias, o céu desbotado e sentir a brisa fresca do raiar do dia, somente por esse momento, serei feliz.

Raquel Núbia

dsc04234
Foto: Raquel Núbia – Cabo Frio/RJ

Divagando

A vida da umas voltas estranhas, não é mesmo? A gente se pega desejando aquilo que nunca desejou, fazendo coisas que disse que nunca iria fazer e sentindo coisas que jamais achou que ia sentir. 

Talvez o tempo seja o grande responsável por isso, como várias vezes eu já escrevi, ou talvez o grande responsável seja a gente mesmo porque, afinal, o que a gente deseja, faz e sente diz respeito a nós mesmos mesmo quando em relação a outras pessoas.

O que a gente sente e pensa dos outros quase não se relaciona com o que tal pessoa realmente é, mas sim com a nossa forma de vê-la. Nossa visão é sempre impregnada de nós mesmos e, como consequência, nós estamos em tudo o que dizemos e sentimos.

Nao sei se estou conseguindo me fazer entender…

Às vezes a gente pensa que o mundo mudou, que as coisas mudaram quando, na verdade, o que mudou foi a gente mesmo e quando a gente muda, todo o resto muda junto.

A gente redefine prioridades, redefine relacionamentos e, quase sempre, essas redefinições trazem um conforto e uma paz muito grande, pelo menos é o que se espera.

Dia desses tive a oportunidade de reparar arestas. Ainda é cedo pra dizer que retomei laços mas posso dizer que consegui polir alguns espinhos e essas oportunidades são raras. Sempre há muito orgulho a ser combatido e baixar a guarda não deve ser visto como fraqueza, nem grandeza, apenas como algo a se fazer.

Fico pensando… Se houvesse outras oportunidades, certamente eu teria algumas coisas a dizer. Mas, ainda assim, não são coisas que me sufocam, mas sim que existem dentro de mim hoje de uma forma diferente do que existia no passado.

Acho que isso vem com a maturidade que costuma nos libertar, em parte, da preocupação com que os outros vão pensar. As pessoas podem pensar tudo o que quiserem mas, acima de tudo, precisam respeitar. Nós precisamos.

A vida já costuma ser problemática demais e não precisa que a gente complique ainda mais com as nossas próprias mãos. Em certos casos, as pessoas esperam que sintamos raiva, que coloquemos a responsabilidade no outro mas nem sempre isso se aplica.

Se em algum momento você perceber que o que você sentia até ontem mudou  e não corresponde mais ao que você sente hoje, mude! Vá atrás do que você sente e do que te diz sua mente e sua verdade. A gente até constrói muros, mas pode construir pontes… Algumas já estão prontas na nossa frente, basta vontade de atravessa-las.

Raquel Núbia 

9AAB07CB-DAED-41E8-82E5-63F8A7E892BD
Foto: Raquel Núbia. Niterói/RJ