Relembrando: Altos e baixos

altos e baixos

Altos e baixos

Às vezes é difícil falar sobre nossas dificuldades, sobre os momentos em que nosso ânimo rebaixa e que a gente se cansa. Quando pensamos em escrever, expor ou compartilhar, pensamos também na reação do outro, de quem vai ouvir/ler nosso relato.
O que vão pensar?
Será que vão se regozijar?
Estranho pensar assim, mas sabemos que existem pessoas que ficam no aguardo, mesmo que todos nós tenhamos altos e baixos, apenas observando.
Ou… Isso é só uma cisma da nossa própria cabeça que, cansada, começa a se perder em devaneios e abrir espaço para aqueles pensamentos que precisam ser controlados, pois são poderosos, tanto os bons quanto os ruins.
A gente pode ficar cansado, pode se sentir desgastado, vez ou outra a gente se abate e tudo bem. É até preciso que tenhamos esse momento para absorver o que nos aflige, penas no que sentimos para podermos elaborar, ressignificar e encontrar alternativas e saídas, formas de voltarmos ao nosso estado normal.
E tem hora que o que a gente precisa é só de um tempo mesmo, um tempo para nos afastarmos, darmos um passo pra trás para respirarmos, tomarmos um fôlego para conseguirmos ter um novo impulso para, aí sim, conseguirmos dar um salto maior e melhor.”

Raquel Núbia

Relembrando: Tempo

Veja o post original aqui.

Tempo
Foto: Raquel Núbia – Muriaé/MG

“Tempo

E quantas vezes mais
ainda vou me sentir calar
quando, por dentro,
um silêncio não demora a me sufocar?

Quantas vezes ainda
vou ficar querendo ir,
sentindo o corpo paralisado,
me sentindo parar de sentir?

Quanto tempo falta
pra poder ir onde e quando quiser?
Pro coração bater aliviado
e não se entristecer com coisa qualquer?

E quanto tempo mais
haverá essa intensa briga,
entre coração e pensamento,
onde a mente teimosa e dura
se sobrepõe ao sentimento?”

Raquel Núbia

Proelium

Viver. Verbo intransitivo: ter vida, estar com vida.
Viver. Transitivo direto e intransitivo: aproveitar (a vida) no que ela tem de melhor”.
É muito errado querer viver?
Pois sinto que, na maioria do tempo, apenas existimos e às vezes, somente existir não é o bastante.
Talvez existam níveis de “viver” em que algumas poucas pessoas vivem o tempo todo, outro grupo viva de vez em quando e uma outra parte apenas exista sem direito a vida.
Talvez apenas existimos por tanto tempo que, quando nos é dada a oportunidade de viver, simplesmente não conseguimos descobrir como fazer para aproveitá-la ao máximo e, nessa busca por desfrutar desses raros momentos de vida, a pressa é tanta que o tempo escorre entre os ponteiros do relógio.
Quem escolhe quem vive e quem existe?
A quem devemos recorrer para trocar de grupo?
O peso dessa herança é tão descomunal para aqueles que percebem o abismo que há entre viver e existir que, frente a impossibilidade de viver plenamente, nem sempre há desejo de se manter existindo.
Talvez viver não seja um privilégio de todos, mas sim um prêmio dado a poucos. Um prêmio que não está ligado à merecimento, mérito ou recompensa, mas apenas a uma divisão aleatória da qual se encarrega o universo.

Raquel Núbia

IMG_20171218_191522503_HDR
Raquel Núbia. Foto: Leandro Oliveira – Barra de São João/RJ

 

 

 

DIA #22 – 30 DAY CELEBRATION

22Em dezembro de 2006 fui ao meu primeiro show da minha banda favorita, Angra <3, que aconteceu no Canecão – RJ.
A foto que ilustra esse post foi tirada no dia seguinte, quando já estava na minha cidade, e eu usava a camisa da banda que havia comprado lá no Rio. Me lembro totalmente da felicidade que senti quando vi que a banda se apresentaria naquela cidade, pois de todos os locais era o mais viável para que eu fosse. Foram meses de expectativa e preparação… Na época eu ainda não trabalhava então conseguir o dinheiro para comprar ingressos, passagens e o que fosse mais necessário, foi uma missão! Mas valeu muito a pena.
Boas lembranças de um tempo bom…

Abraços,
Raquel Núbia

DSC07733
Foto: Raquel Núbia – 2006

 

Tempo

E quantas vezes mais
ainda vou me sentir calar
quando, por dentro,
um silêncio não demora a me sufocar?

Quantas vezes ainda
vou ficar querendo ir,
sentindo o corpo paralisado,
me sentindo parar de sentir?

Quanto tempo falta
pra poder ir onde e quando quiser?
Pro coração bater aliviado
e não se entristecer com coisa qualquer?

E quanto tempo mais
haverá essa intensa briga,
entre coração e pensamento,
onde a mente teimosa e dura
se sobrepõe ao sentimento?

PICT0021
Foto: Raquel Núbia

Raquel Núbia

Distraído

Quando foi que nos tornamos assim, tão especiais?
Quando foi que o mundo passou a girar ao nosso redor?
Quando foi que todas as pessoas que conhecemos começaram a agir em nosso favor ou contra nós?
Em algum intervalo de tempo, eu perdi esse momento e, de repente, quando voltei à “realidade” pude ver somente o caminhar das coisas, o reclamar, a busca incessante pela responsabilidade e culpa alheia. De 8 ou 80 o que ouço são pessoas adultas se denominando meninos e meninas, fazendo das paredes, espelhos que só refletem sua própria imagem e assim, tudo o que os cerca, tudo o que acontece está voltado para eles mesmos.
Não, eu não falo de selfies, bons ângulos, filtros, likes…
Eu falo de pessoas se eximindo de suas vidas, colocando no colo do outro as causas para suas mazelas e belezas… Se estou triste, a culpa é do outro que me magoou… Se me olharam, é porque sou demais e irresistível… Se me traíram, é porque outra pessoa roubou meu amor… Se revidei a alguma agressão é porque fui provocada ao máximo por outra pessoa.
Nunca me sinto triste por problemas meus… As pessoas nunca me olham por olhar… Se fui traída, não foi por falta de qualidade minha… Se revidei não é porque perdi o controle…
Há sempre um outro. O outro a quem se pode atribuir as razões para que não se precise olhar no espelho e enxergar além de tudo o que nos faz especiais. E nesse reflexo que vemos, acreditamos. Depois de um tempo nem se sabe mais separar o que é realidade do que é egocentrismo* e nos reforçamos com tanta vontade frente aos outros que nos perdemos.
É difícil… Mas precisamos nos lembrar que, apesar de sermos únicos em nossa essência, não somos os únicos no mundo. Nossos interesses não geram, necessariamente, interesse nos outros. O que os outros fazem, fazem porque querem e não por estarem ligados a algo do nosso cotidiano, a maioria das pessoas que nos causaram algum mal, nem sequer lembram que existimos então, faça-se um favor e repita para si mesmo num desses espelhos invisíveis: “Eu não sou assim, tão especial. O mundo não gira ao meu redor”.
Nem sempre você será digno de um espaço na memória… E se não for, não insista.
Pare de estruturar dias e momentos tão arduamente, siga distraída… É na distração que moram as pessoas e coisas realmente especiais… É na distração que amizades viram amores, que amores viram lembranças e que as lembranças um dia desaparecem.

altocaparao6
Raquel Núbia. Foto: Leandro Oliveira – Alto Caparaó/MG

Raquel Núbia
*O Egocentrismo é a característica que define as personalidades dos que consideram que tudo gira ao seu redor. Remete ao indivíduo que prioriza a si (seus desejos, pensamentos e necessidades) diante da realidade, tornando-se imersos em uma fantasia apropriada a esse padrão de aceitação e não enxergando a realidade da vida social e das necessidades de outros indivíduos em relação as suas.

Indagações

Quantas pessoas cabem dentro de mim?
Quantas pessoas posso ser?
Se tão igual e diferente ao mesmo tempo,
Se quando se acha já começa a se perder.

Quantos pensamentos cabem num só lugar?
Quantos podem haver?
Se tão claros e confusos ao mesmo tempo,
Se quando se estabelecem já começam a evanescer.

Quantas inseguranças cabem num coração?
Quanto mais há de bater?
Se tão pertinentes e infundados ao mesmo tempo,
Se quando fingem despedida, voltam a aparecer.

Dentro de mim, tantas pessoas.
Num só lugar os pensamentos.
No coração, inseguranças.
Tudo no mesmo momento.

Por quanto tempo mais?

Indagações

Raquel Núbia

Hoje acordei

Hoje acordei no tempo errado…
querendo ter nascido no século passado.
Onde os dias me parecem mais brilhantes,
Onde o tempo correria ao meu lado.

Hoje eu acordei sem céu azul,
Me sentindo uma pessoa tão comum…
No pensamento meus sonhos tão distantes,
E dentre eles houve espaço pra mais um.

Um sonho onde o tempo fica frio,
Mas não carrega o ar sombrio
que hoje enfrento tão presente.

Onde em uma fotografia desbotada,
eu teria ali guardada,
essa memória tão pungente.

Hoje acordei

Imaginando que no século seguinte,
eu estaria com requinte
ocupando meu lugar.

Onde as manhãs fossem mais claras,
as pessoas fossem raras,
não se importando em se importar.

Hoje eu acordei no tempo errado,
caminhei de lado a lado
tentando me convencer…

De que hoje é o momento certo
pra fazer chegar mais perto,
a pessoa que quero ser.

Raquel Núbia

Carta ao tempo

Será que posso chama-lo de amigo?
Tenho alguns pedidos a fazer e outras coisas para falar.
O que tem feito comigo? Sinto que, às vezes, você não pensa nas coisas que faz, e outras, nas que deixa de fazer.
Você deixou para trás, e guarda no passado uma parte minha que hoje tenho somente na memória. O que não foi bom, tudo bem, pode ficar, mas o que foi céu azul, não pode me mandar de volta?
Você tem todas as respostas para o que hoje me são dúvidas e esconde tudo com você, não me deixa nenhuma pista. E eu sigo andando por aqui e por vezes sigo mesmo correndo atrás de você, mas você é como o vento… Não é possível alcançar, só é possível sentir e eu tenho sentido.
Por vezes você tem sido o meu melhor amigo e o único com quem posso contar para algumas situações… Mas por outras você me falta e quando me falta, falta quase tudo. Eu te quero comigo e não apenas te ver passar.
Sei que você não precisa de mim, mas eu preciso de você.
Seja gentil comigo…

images (9)

Raquel Núbia