Sobre a moderação entre o ON/OFF

Faz uma semana estou sem celular.
Ele resolveu dar um mergulho e assim encerrou suas atividades depois de me acompanhar por alguns anos. Comprei outro, mas ele ainda não chegou. Simples assim. Substituição segura.
Nesse meio tempo tenho usado algumas alternativas que suprem a necessidade do aparelho. Quem precisa falar comigo consegue me encontrar no número do meu namorado ou onde trabalho, whatsapp quase não uso e com quem falo com mais frequência, o sms no celular alheio também tem resolvido. E o Facebook, instagram e Blog dá pra gerenciar tranquilo pelo computador.
Então você pode se questionar, por que toda essa descrição?

Porque ontem, vendo um stories, a pessoa estava explicando que havia “sumido” por uns dias das redes sociais e que se sentiu estranha porque seus seguidores estavam cobrando sua presença. Ela disse que “se agente não posta, parece que não está vivendo”. Pelo menos essa é a percepção que as pessoas estavam tendo dela naquele momento. Já que não havia fotos nem vídeos, ficou subentendido que ela não estava cumprindo sua rotina conforme o estabelecido.

Essa frase dela me fez pensar e eu concordo…
Várias vezes nesses dias eu me vi em momentos pensando “podia fazer um stories com isso ou aquilo”, mas como não estou com celular à mão, acabo deixando passar, mesma coisa com fotos. E isso não implicou em nada de negativo, pois o que preciso divulgar, que são coisas de trabalho, parcerias e do Blog, consigo tranquilamente.
Eu não vejo problema nenhum em compartilhar tudo e qualquer coisa, até gosto e acho bem divertido, cria uma conexão que apenas as fotos lindas e editadas não conseguem estabelecer.
A grande questão, ao meu ver, é a motivação, o que nos leva a fazer o que fazemos.
Como eu disse a pouco, eu mantenho minhas redes porque gosto e me divirto bastante. Consigo filtrar o que é bom do que não é e delimitar um espaço de informações as quais quero e preciso ter acesso, daquelas que são apenas notícias vazias.
Porém, como a moça da história que eu contei acima, somos cobrados por essa presença virtual, existe uma demanda por conteúdo e isso gera uma expectativa nos outros que pode gerar uma pressão.

Pra mim, quando não consigo me divertir, deixa de ser hobby e vira obrigação e eu já tenho muitas obrigações pra lidar! A gente vai vivendo e por isso compartilha algumas coisas com quem quer nos seguir e essa deve ser a ordem correta e não compartilhar para que nos sigam e assim podermos viver!
Precisamos garantir que estamos vivendo dentro e fora das mídias sociais ou então seremos apenas peixes presos a essas redes, com tantos outros.

Compartilhe com cuidado e viva sem moderação!

Raquel Núbia (@raquelnubiaofficial)

IMG_20160730_214859316-ANIMATION
Instagram: @raquelnubiaofficial

 

Anúncios

+ 3.000

Há dez dias postei aqui agradecendo à todos os leitores, seguidores e visitantes do Blog, que fizeram com que o Verba Volant alcançasse mais de 2.000 visualizações… Hoje, retorno, pois chegamos a mais de 3.000 e passamos dos 500 seguidores. Sei que existem blogs que tem esse número de acesso em minutos e centenas de milhares por mês, mas isso pra mim não importa. O que importa é receber o retorno do interesse de todos os que chegam até aqui e que recebem meu conteúdo, seja um pessoa ou três mil.
Eu comemoro cada pequena vitória, ainda que aos olhos do outro seja mínima… Nesse mundo em que, quando crianças somos ensinados a sonhar mas depois, quando crescemos nos deparamos com a crueldade que vivem aqueles que sonham, cada passo é uma grande conquista.
Obrigada por me proporcionarem isso ❤

Imagem1

Abraços,

Raquel Núbia

+ 2.000

Em março desse ano, fiz um post agradecendo aos seguidores e leitores do Verba Volant pois, pela primeira vez, o blog havia alcançado mais de 1.000 visualizações. Hoje, retorno para agradecer novamente, pois antes do final do mês de Maio, alcançamos no dia de hoje mais de 2.000 visualizações, ultrapassando as marcas anteriores também em visitantes, curtidas e comentários.
Me dedicar ao Verba Volant, é uma grande paixão, por isso é preciso comemorar cada conquista.

2000

Abraços,

Raquel Núbia