“Ponto&Vírgula” – Post 09

Quando a alegria é sintoma: relato de uma ciclotímica

Coisa mais maravilhosa estar feliz, bem humorada e com aquela disposição para fazer tudo o que se planejou por dias, tudo o que sua mente pensou, repensou e programou, mas que você ainda não tinha conseguido tirar de dentro do mundo dos pensamentos. Afinal, depois de algum tempo sentindo o cansaço e o desânimo do mundo todo repousado sobre os ombros, um dia de céu azul é sempre muito bem vindo.
Você se lembra se ficar feliz por estar alegre?
Ou somente vive seus momentos felizes habitualmente?
Aqui cabe um parêntese:

Quando digo “momentos felizes” não estou me referindo a realização de algo ou a comemoração de alguma vitória. Não. Estou me referendo aquele momento em que você consegue interagir com as pessoas ao seu redor, expressar suas opiniões com interesse, ter leveza para falar do que é importante, desfrutar do que é superficial… Aquele momento em que você pensa e consegue traduzir em ação, sem grande esforço, apenas porque é natural e você tem energia para isso.

Pois bem… Eu preciso me lembrar de me sentir feliz por estar alegre, simplesmente porque, dentro da Ciclotimia, a alegria é instável, rara e sem motivo:
– Instável: Assim como chega, vai embora;
– Rara: Nem tudo ou quase nada é fonte de alegria. Geralmente a vida transita em tons de cinza (sem trocadilho), porque nada é preto e nada é branco, apenas um meio termo quase constante.
Mas então você lê tudo isso e diz a si mesmo que isso é normal e que a maioria das pessoas vive e sente assim… E eu apresento o terceiro item:
– Sem motivo: Cada oscilação não vem acompanhada de um motivo. A alegria apenas existe. A tristeza apenas existe. Em alguns momentos a circunstância deveria ser de felicidade intensa, mas não é. Em outros, deveria ser de grande tristeza, mas não é. Existem ainda os momentos em que não se sente nada.
Vale ressaltar que essa oscilação é uma dançarina que baila várias músicas, ou seja, ela não vai só no ritmo da alegria e da tristeza… Ela dança os ritmos da positividade, desânimo, satisfação, negatividade… Uma mistura de ritmos… Oscila em todos os campos…
A quantidade de pressão que uma pessoa ciclotímica precisa administrar é considerável, pois enquanto você lida com todas essas questões que citei acima, quem está de fora te enxerga, geralmente, como uma pessoa temperamental, mal humorada… “Ontem tava mil amores e hoje não tá nem conversando”… Mal sabem todos eles o quanto é custoso manter tudo no equilíbrio e esse custo nem sempre permite uma interação de qualidade, por vezes não permite interação alguma!
Fora tudo isso, ainda há a questão do diagnóstico. Difícil diagnóstico…
Muitas vezes o foco do tratamento são os episódios depressivos, assim quando caímos no mar de sintomas que a depressão traz, todo o foco é voltado pra isso. Quando os sintomas depressivos passam e a “alegria” volta, entende-se que o episódio cessou e nós melhoramos. Fazemos o desmame dos remédios, vamos espaçando as sessões de terapia. Recebemos alta do tratamento.
Passa o tempo e acontece tudo de novo. Impossível não me questionar o que eu estava fazendo de errado. Onde estava errando. O que estava jogando para o mundo que o universo estava me devolvendo de tal forma? 3 grandes crises em um espaço de alguns anos. Crises realmente devastadoras, afastamento da faculdade, depois afastamento do emprego, relacionamentos correndo riscos, sofrimento individual e familiar sem tamanho, investimento financeiro assombroso com médicos e medicamentos, um total apagão na vida social e mental… Caos.
Em um consultório já velho conhecido, contemplo a face do meu médico me encarando novamente, com os mesmos sintomas, desta vez mais agudos. A sombra do seu rosto mostrava claramente o que sua mente pensava: “O que mais posso fazer para tratar uma depressão que sempre volta? ”.
Quando ele me disse que iria me encaminhar para outro profissional, a fresta de luz que eu guardava pelo transferência e confiança que sentia naquele homem, se apagou.
Outro profissional? Eu devia ser mesmo um caso sem solução. Se ele não sabia o que fazer, quem saberia?
A justificativa foi simples. Ele havia esgotado toda terapêutica que tinha em mãos e o sobrinho, médico psiquiatra, formado mais recentemente, teria à disposição novas linhas de tratamento para recorrer.
De frente a esse novo médico, fizemos a primeira tentativa e nada. Nenhuma melhora. Pra ser sincera, houve uma sensível piora. De frente com ele novamente, ele me pediu para repassar todo meu históric, desde o primeiro episódio, desta vez, pontuando as datas.
Quando finalizei ele apenas se recostou na cadeira, suspirou um pouco e disse que havia um padrão de tempo entre os fatos que eu narrava e esse padrão era determinante para confirmar o diagnóstico que ele suspeitava: Ciclotimia.

“A ciclotimia também conhecida como transtorno ciclotímico é uma perturbação do foro mental. É uma forma leve do transtorno bipolar, em que uma pessoa tem alterações de humor ao longo de um período dos anos que vão de depressão leve às altas posições emocionais. ” (Acho incrível a definição de “leve” nesse contexto, pois pra quem carrega o transtorno ele é bem pesado…).

De tudo o que ele me explicou, meu foco foi diretamente na parte em que ele dizia que a pessoa ciclotímica tem períodos de depressão, que eu bem já conhecia, e períodos de euforia, em que se sentia bem, disposta, por assim dizer, feliz.
Então era isso?!
Quando todos achavam que eu melhorava, inclusive eu, não era bem isso, a melhora não era melhora, pois a “felicidade” era um sintoma.
Claro que existem pormenores de diferenciação entre “felicidade” e “euforia”, entretanto, sentada ali, do lado de cá da mesa, na cadeira no paciente, minha visão era essa.
Desse dia pra frente foram ajustes e mais ajustes… Já de posse de um diagnóstico fechado foi mais fácil definir a medicação correta (comprimidinhos mágicos também conhecidos como bolas de demolição que te levam no chão pra somente depois te permitir erguer algo novo, novamente) e alinhar a terapia, já em curso.
Meses passaram e novamente saí da crise depressiva, a segunda pior de todas (sim, houve uma ainda pior e a falta de conhecimento e diagnóstico correto contribuíram para um período de quase 12 meses em fase depressiva profunda, acompanhada por uma síndrome do pânico incapacitante que congelaram quase totalmente minha vida por um ano). E todo o processo, desmame da medicação -> abstinência -> volta com a medicação -> redução de medicação -> desmame -> volta dos sintomas -> medicação -> desmame, se fez necessário. Três tentativas antes de conseguir o desmame total dos remédios e mais alguns meses de terapia.
Tive alta. Aleluia!
Apesar de ser uma alta relativa, pois o transtorno ciclotímico não tem cura, mas tem controle e, nesse cenário, a terapia tem um papel determinante na minha saúde mental e física, afinal, saber quais são meus sintomas e quais são seus gatilhos, é fundamental para identificar situações de risco e agir preventivamente. Me conhecer melhor foi, sem sombra de dúvidas, meu melhor remédio.
Sobretudo porque nossa mente é potente e, quando negamos sua fala, ela encontra um jeito de gritar. Seja por uma alergia, prurido constante nos olhos, infecções constantes, dores musculares, a somatização cumpre seu papel com excelência!
Já tentei mapear as oscilações de humor para tentar identificar um padrão, até mesmo suspendi o uso da pílula anticoncepcional para levar o mínimo a interferência hormonal nessas variações (frisando que não há comprovação da eficácia dessa decisão e que ela foi totalmente individual). Mesmo com as tentativas, foi em vão.
Obviamente, hoje já consigo saber claramente quais as situações tiram minha paz interior e para a grande maioria delas, tenho ferramentas muito eficientes para usar.
Para as situações com as quais ainda não tenho o que é necessário para transpor, me afasto. Saber a hora de se afastar do que ou quem tira sua energia não é egoísmo, é amor próprio. A gente precisa ser prioridade na nossa própria vida.
Foi necessária uma grande mudança na minha percepção do que ocorre ao meu redor (mudança que recomendo a todos!), pois o meu foco precisa ser mantido no que é positivo, em toda e qualquer situação.
Não posso me dar à chance de me apegar ao que é negativo, pois esse caminho, que para tantos é simples de trilhar, pra mim pode ser uma nova estrada sem volta. Não ficar nesse lugar comum da depressão não é fácil, acreditem, ela existe, é real e poderosa e por mais que nos faça sofrer e desejar não mais existir, ela me prende como uma área movediça, quanto mais me mexo, mais me afundo. É uma luta diária. Sem folga. Sem descanso. Basta uma pequena abertura e, pronto! Tchau bom humor, oi desânimo.
E não se enganem, é questão de pouco pra que isso aconteça, infelizmente.
Nisso tudo, sempre que acordo com o humor elevado, que consigo vencer o dia mantendo um fluxo normal e que, no próximo dia, consigo repetir tudo de novo, me lembro de ficar feliz por estar alegre.
Nessas interseções, onde um sintoma se cruza com outro, é necessário ser grata quando, apesar de estarem tão perto, o lado que puxa pra baixo, deixa de fazer tanta força e permite ao lado que puxa pra cima vencer, ainda que temporariamente. É necessário empregar toda a energia momentânea nos projetos e desejos que ficaram dormentes, a fim de realizar o máximo que puder, pois é sabido que esse sintoma disfarçado de alegria, vai passar. E vai voltar… E vai passar novamente.
O ser humano é um infinito. E como na Teoria do Iceberg, de Ernest Hemingway, o que absorvemos de uma pessoa, é apenas uma pequena parte que podemos observar, que está na superfície, o restante absorvemos de forma inconsciente, “sem perceber”. Nunca conseguimos ter acesso a um indivíduo em sua totalidade e precisamos ter sempre isso em mente antes de esboçar alguma “opinião” ou julgamento sobre quem quer que seja.
É o famoso quem vê cara não vê coração.
Quem vê sorriso, não vê as lutas diárias.
Quem vê produtividade, não vê o esforço que às vezes se emprega.
Quem vê realizações, não vê a insônia e as urticárias, e por aí vai.
Hoje, em um momento controlado, onde sei que é possível seguir o dia a dia de maneira mais sutil, me persegue a sensação de algumas pessoas buscam o contrário, ainda que não percebam.
Pessoas que, quando caem no buraco, praticamente pedem uma pá para continuar cavando, ao invés de olhar pra cima e buscar uma saída. Eu também não consigo ver o indivíduo total, mas sei que a tal mudança de percepção é um dos caminhos:

– Nós não somos as únicas pessoas do mundo. O mundo não gira ao nosso bel prazer ou desprazer;
– Algumas coisas ruins simplesmente acontecem;
– O que não depende de nós e do nosso esforço não deve nos tirar a paz. Faça tudo o que estiver ao seu alcance e, quando acabar, descanse.
– O hábito da especulação pode ser uma grande fonte de ansiedade. Trabalhe com as informações que você tem e assim vai evitar muito sofrimento desnecessário por coisas que talvez nem aconteçam. Deixe para atravessar a ponte, quando chegar nela.
– É necessário ser criterioso na escolha das pessoas que dividem nosso cotidiano conosco. Você pode até gostar e amar muitas pessoas, mas nem todas elas cabem na sua vida.

Diagnósticos e jargões à parte, é preciso aproveitar as oportunidades. Quem vive numa montanha russa, deve encontrar formas de se manter são nos altos e baixos, nos sacolejos, para que quando chegar a hora da pequena parada, esteja pronto para gozar dos momentos de paz, até que tudo comece novamente.
Não há linha definitiva de chegada e o caminho guarda curvas tortuosas, em meio a subidas e descidas do que é inevitável, é preciso saber encontrar maneiras de aproveitar a jornada.

Raquel Núbia

(Gostaria de ler mais textos assim? Deixe nos comentários!)

Imagem9

Anúncios

“Ponto&Vírgula” – Post 05

Em um mundo com tantas inspirações, respirar é preciso

Todo esse discurso de auto aceitação é muito lindo, muito necessário e tem sido muito discutido e divulgado, entretanto há uma grande diferença entre um discurso e sua ação prática.
Existem tantas histórias inspiradoras, de pessoas que lideram mudanças e atuam como multiplicadores de uma nova ideologia. Mas o que é “inspiração”?
Não sei quanto a vocês, mas eu acredito sim no poder do estímulo, entretanto a decisão do quanto esse estímulo ou “inspiração” vai modificar o comportamento ou pensamento do sujeito, está unicamente nas mãos desse indivíduo.
Claro que, quanto mais exposição a fatores de inspiração positiva, maior a probabilidade de que esse fator atue efetivamente para uma mudança positiva, porém se a mudança não ocorrer internamente, não já inspiração que baste e seja suficiente.
Eu, particularmente, tenho um pouco (leia-se muita) dificuldade de “comprar” esse discurso, esse lifestyle.
Geralmente as pessoas recorrem muito a argumentos ligados a “mantras” do tipo: “basta se dedicar”, “quem quer, consegue” e coisas do tipo.
Eu não poderia discordar mais!
Às vezes não basta querer. Às vezes não basta dedicação. Às vezes a vida exige muito mais do que isso! E esse discurso que coloca tanta responsabilidade e poder sobre o sujeito pode ser uma fonte inesgotável de frustração!
A gente costuma aprender muito cedo que a vida não é justa e quase nunca divide as coisas boas que distribui em partes iguais (eu, pelo menos, aprendi isso faz um tempo). Essa divisão nem sempre depende de nós. Algumas sim, mas nem todas.
A gente pode oscilar muito entre os desejos, objetivos e a quantidade de esforço que estamos dispostos a fazer e essa variação está atrelada a uma infinidade de motivos.
As pessoas se motivam de diferentes formas e dispõem de diferentes recursos.
Nem sempre uma foto ou uma história emocionante bastam para causar uma mudança interior. Aliás, “uma história” ou a história de uma minoria (minoria aqui como grupo em menor quantidade, no geral) não deve ser tomada 100% como exemplo, como regra geral.
Se aquela minoria/pessoa conseguiu algo, seja lá o que foi, isso pode significar que, sim, você também pode conseguir ou que talvez você não consiga, ou ainda pode não significar nada! E tudo bem!
T-u-d-o B-e-m!
Eu não tenho que conseguir apenas porque alguém conseguiu, fazer porque alguém fez, buscar superação porque alguém se superou e, principalmente, eu não preciso querer apenas porque o outro quis.
E falo tudo isso na primeira pessoa porque é algo que eu preciso aprender e, talvez, você também.

Vamos parar só um momento para analisar:

De tudo o que nos dedicamos, das nossas metas, do quanto buscamos, quantas coisas condizem com a nossa verdade? O que é real?
De todas as nossas frustrações, chateações, dos desânimos que sentimos, quantos são advindos dessas coisas que não são nossas?
São muitos imperativos usados hoje em dia.
São muitas frases de efeito.
São muitas exceções se tornando regra.
A gente não “tem que” nada!
Você não “tem que” inclusive ler esse texto até o final ou concordar com o que eu escrevo.
A gente deveria mesmo era se comprometer com os nossos desejos originais, estabelecer nossos limites e lembrar sempre que somos nós que fazemos essas definições. E que possamos fazer da melhor forma possível e de maneira responsável.
Mas, voltando no primeiro parágrafo desse texto:

Todo esse discurso de auto aceitação é muito lindo, muito necessário e tem sido muito discutido e divulgado, entretanto há uma grande diferença entre um discurso e sua ação prática.

Sendo assim:
Faça o que você quiser, do jeito que quiser.
No final, a gente é cobrado de qualquer forma e às vezes somos julgados também.
Que, frente a isso, sejamos justos com os outros e com a gente mesmo.
O meu querer não é o seu.
A minha motivação não é a sua.
As minhas dificuldades não são as suas.
A minha vida não é a sua e a sua vida não é de mais ninguém.
Recorrendo ao mesmo imperativo que critiquei ainda agora: Escolha quem VOCÊ quer ser e seja.

Raquel Núbia

Imagem5

“Ponto&Vírgula” – Post 03

A difícil arte da “escolha”

As pessoas que sofrem de ansiedade, depressão, ciclotimia entre outros transtornos do humor sabem muito bem como é viver com esse sintoma.
O que, para uns, é uma tarefa comum, feita e repetida inúmeras vezes por dia, para aqueles acometidos por estas doenças é um trabalho hercúleo: escolher algo.
E aqui eu não me refiro á escolhas que realmente necessitam de grandes reflexões e análises como por exemplo, mudar de emprego, terminar um relacionamento, fazer uma viagem cara. Aqui eu me refiro a decisões corriqueiras como a roupa que se vai vestir, o que comer e aonde ir com os amigos entre tantos outros exemplos que poderia citar.
Eventualmente todos sentimos essa indecisão, não se preocupe, se você não consegue decidir se vai comer churrasco ou comida japonesa, porque á um grande diferencial entre a dificuldade de escolha considerada “normal” e a considerada sintoma.
Sabe qual é?
O sofrimento.
Na vida de um ansioso, depressivo, a dificuldade de escolher não vem somente da dúvida entre as opções, mas sim de uma infinidade de variáveis que são analisadas na velocidade da luz dentro de uma cabeça que parece que não vai conter tantos pensamentos.
Não se trata apenas de escolher um restaurante para sair em uma sexta a noite, mas sim de percorrer a possibilidade de:
“Será que eu consigo encontrar uma roupa que fique legal, talvez não consiga arrumar meu cabelo, e se chegar no restaurante marcado e não tiver mesa? Para onde poderemos ir? Se for, o que vou comer, afinal estou tentando me alimentar melhor e estar em um local com tantas tentações pode não ser fácil. E se eu tomar uma cervejinha hoje e quiser tomar outra amanhã? Vai prejudicar meu plano alimentar. Será que vai dar tempo de fazer meus exercícios antes de sair? E se não for legal lá e eu quiser vir embora, o pessoal vai ficar chateado… Eu trabalho tanto, quase não fico em casa, mas também quase não saio justamente porque trabalho muito. E tem a questão do dinheiro… Será que esse jantar não vai estourar meu orçamento? Vai que acontece um imprevisto no mês e eu fico sem dinheiro! Melhor ficar em casa. Mas meus amigos querem tanto ir… Como faço pra não ir sem chatear as pessoas? Etc, etc, etc…”

“Simples” assim.
Esse fluxo constante pode impedir que a escolha seja feita e não apenas porque a pessoa é indecisa, mas sim porque ela está realmente incapaz de decidir. E quanto mais ciente ele está deste incapacidade, mais angustiante é a situação, como num ciclo crescente.

Sendo assim, paciência.
Se você é a pessoa que vive esta situação, tente pensar racionalmente sobre todas as dúvidas que passam pela sua cabeça. Tente encontrar soluções racionais para seus questionamentos. Por exemplo: “Se estou com receio de estourar meu orçamento, posso separar a quantia que poderei gastar e, ao chegar no restaurante, garantir que ficarei dentro desse limite. Se eu não conseguir fazer todos os meus exercícios antes de sair, posso compensar na próxima vez em que me exercitar e etc.”
A princípio não será fácil.
Mas isso é uma questão de treino, tentativa, erro e acerto.
O importante e não desistir, apenas descansar quando for preciso.
Agora, se você percebe esse comportamento em alguém próximo, tente estimular aos poucos para que a pessoa consiga tomar pequenas decisões e fazer pequenas escolhas.
Caso perceba que esta pessoa está se sentindo sobrecarregada, tente fazer alguns ajuste para ela.
E saiba que pressionar uma decisão jamais será o melhor caminho.

Abraços,
Raquel Núbia

Imagem3

“Ponto&Vírgula” – Post 02

Postei essa reflexão ontem no meu stories no Instagram e como tive muita resposta lá, achei que seria válido publicar aqui também:

É preciso ter sabedoria para filtrar tudo o que ouvimos.
O que as pessoas nos dizem e a forma como falam dos outros nos diz muito sobre elas mesmas, pois o discurso de uma pessoa geralmente vem carregado daquilo que a pessoa traz dentro de si. Por isso é preciso ficar atento.
Aqueles que somente julgam, falam mal de outras pessoas e apontam defeitos sem intenção de melhoria, estão sinalizando sua essência na forma de se comunicar.
Se elas não tem pudor de falar dessa forma com você sobre outras pessoas, certamente não terão pudor de falar DE você para os outros.
Então, preserve sua saúde mental e fique SEMPRE atento ao QUE você diz e a COMO diz e mantenha atenção ao que você escuta e permite entrar na sua vida.

Imagem2

Abraços,
Raquel Núbia

 

 

“Ponto&Vírgula” – Post 01

Conforme postei aqui, pretendo inserir alguns conteúdos sobre saúde mental no Verba Volant. Quem já me acompanha sabe que sou Psicóloga mas, devido a vivências particulares, tenho também uma visão de paciente e é isso que gostaria de compartilhar com vocês, leitores. Algo entre explicações conceituais, aconselhamento e também meus relatos pessoais que podem ser comuns a tantas outras pessoas.

Entretanto, visando agrupar todas as propostas do blog, sem descaracterizar o propósito principal que é literário, proponho uma diferenciação dos posts.
Para isso, criei um menu lateral chamado “Ponto&Vírgula” onde todos os posts sobre o tema serão agrupados por meio de uma categoria/tag, facilitando as pesquisas. Dessa forma, basta clicar na categoria/tag do menu para visualizar somente as postagens deste projeto.
Outra diferenciação será o modelo adotado para as postagens, já que estas serão formatadas de maneira específica e não serão ilustradas com fotos próprias e outras nem mesmo serão ilustradas.

Além disso, o título virá sempre sinalizado com “Ponto&Vírgula” e o número da postagem, conforme este post.

Por que “Ponto&Vírgula”?

Essa simbologia é referente ao “Project Semicolon” (Projeto ponto e vírgula) iniciado em 2013 por Amy Bleuel e se trata de uma organização sem fins lucrativos que funciona como uma iniciativa “anti-suicídio”.
O projeto visa apresentar esperança para aqueles que estão lutando com depressão, suicídio e auto-mutilação. Esta iniciativa utiliza a tatuagem do símbolo de ponto e vírgula como uma forma de solidariedade entre pessoas que estão lidando com doenças mentais ou com a morte de alguém por suicídio, incluindo pessoas de diferentes crenças e religiões.
O símbolo é utilizado pois, na literatura, ele é empregado quando o autor podeira escolher terminar sua sentença com o ponto final, mas escolheu não o fazer. O autor é você e a sentença é a sua vida.

Deixei suas oportunidades de melhoria e sugestões nos comentários ou entre em contato comigo por e-mail!

Imagem2
Novo menu!

Abraços,

Raque Núbia