Suspiro

Para ler ouvindo a música “Holding back the fire – Bittencourt Project” – video no final do post

Tem coisas que marcam a gente de um jeito que impressiona…
ÀS vezes é um cheiro, uma cor, uma música, um dia frio ou nublado… Pode ser tudo e nada, qualquer coisa.
Algumas coisas funcionam como um portal na vida da gente e assim que chegamos perto deles, entramos num caminho que nos leva direto pra muito longe ou até mesmo pra perto, não importa. O que importa é que esse portal nos transporta pra onde mora uma lembrança.
Uma lembrança viva ou guardada mas que se recupera assim que temos contato com esse estímulo.
Vez ou outra eu me pego vagando fora de mim quando me deparo com essas saudades que a gente desconhece. Em alguns momentos, nem mesmo se pode nomear como saudade, pois existem sentimentos e sensações que a gente não sabe definir.
Repentinamente a gente se preenche de um vazio, uma falta sem identificação, advinda de uma necessidade sem justificativa, sem necessariamente ser uma queixa do presente ou uma insatisfação sentida plenamente.
Se angústia é aquele sentimento que não pode ser nomeado, talvez então seja isso.
Apenas a percepção da sensação de estarmos perdidos dentro da própria vida, num mundo tão grande e num tempo tão extenso em que não conseguimos enxergar a finitude do que já vivemos e, ao mesmo tempo, sentimos latente a certeza de que sermos findos é a única e total certeza.

Raquel Núbia

IMG_20180203_110036042_HDR
Raquel Núbia. Foto: Leandro Oliveira – Muriaé/MG

DIA #24 – 30 DAY CELEBRATION

24

Águas que levam as dores e trazem lembranças.
Lavam o cansaço, mostra esperança.
Cheiro de brisa que invade a alma,
sons naturais que devolvem a calma.
Nas sensações do corpo na água pura
onde somente o sal guarda amargura,
sente a leveza de estar entregue,
e deixa que a água do mar te carregue.
No ceú azul, poucas nuvens se atrevem,
Mas não apagam o sol, não conseguem.
Sempre o lugar que me acolhe a esperar,
que não encontro em nenhum outro lugar:
ah… mar…

Raquel Núbia

Editada no Lumia Selfie
Foto: Raquel Núbia – Rio das Ostras/RJ

 

Relembrando: Nó

Para que o domingo não passe em branco, compartilho mais um post feito a exatos 365 dias e originalmente publicado aqui, pois a crônica em que estou trabalhando ainda está no papel e sem final… Esse cotidiano sendo, como sempre, barreira para nossos desejos, não é?

Nó na garganta.jpg
Imagem: favim.com

Mais um trecho que gosto muito:

“Não importa o quanto façamos, algumas pessoas simplesmente não nos veem como pessoas boas e inventam para si uma imagem baseada em sua própria criatividade e não fatos por mais claros que eles sejam.”

Me deixem saber se vocês gostam dessa tag “relembrando”, se querem que ela continue ou não, OK?

Bom domingo.

Abraços,

Raquel Núbia

 

Retrato

Um dia fui um retrato na estante,
E quem me olhava se alegrava ao me ver.
E com carinho e ternura acariciava,
Enquanto sorria quase sem querer.

Um dia fui um retrato na estante,
Que de repente se tornou uma dor maior.
E com tristeza e saudade eu fui olhada,
Enquanto alguém ali chorava ao estar só.

Um dia fui um retrato na estante,
Mas no outro dia, fui lembrança pra esquecer.
E com rancor e mágoa fui guardada,
Num canto escuro pra ninguém nunca mais ver.

Um dia fui um retrato na estante,
De quem hoje faz questão de não se lembrar.
Hoje nem rastro nem memória eu sou mais,
Daquele que um dia disse me amar.

IMG_1548.JPG
Foto: Raquel Núbia – Ouro Preto/MG

Raquel Núbia

Desencanto

Hoje, de repente, me bateu aquela saudade de escrever…
Mas não escrever abrindo uma tela em branco e escolhendo teclas e sim escrever com uma velha caneta, num caderno, numa folha, num rascunho, num espaço qualquer. Tecendo as letras uma a uma numa grafia atrapalhada, dispensando no papel tudo o que fica passeando pela cabeça e que fica agarrado no coração e na memória.
Tempo atrás escrevi sobre a importância de conseguir escrever sem rascunhar, mas hoje me pego refletindo o que esse momento do rascunho significa.
O momento vivido no silêncio interrompido somente pelo toque da caneta no papel era aquele só meu, de mais ninguém, e só depois, às vezes bem depois mesmo, é que eu decidia se esse momento seria de mais alguém.
Complicado transformar sonhos em realidade… E hoje me sinto estranhamente lidando com a sensação de que devo satisfação pela ausência ou presença das minhas produções… Uma cobrança que vem justamente daquele conteúdo que fica passeando pela cabeça e que fica agarrado no coração e na memória.
Talvez, ao se tornar realidade, os sonhos percam seu conteúdo de fantasia, e passem a ser só mais alguma coisa do dia. Talvez por isso me venha a saudade de escrever, escrever de verdade, com a minha verdade.

img_3472
(Raquel Núbia – Foto: Leandro Oliveira / Petrópolis – RJ)

Raquel Núbia

Carta para ela

IMG_20161104_170240.jpg
Raquel Núbia. Foto: Leandro Oliveira

Então é isso, você realmente não me deixa… você sempre some por um tempo, se esconde, desaparece e eu quase me esqueço que um dia te conheci… mas aí você volta… E eu nem sei porque faz isso.
Se bem que, parando pra pensar direito, parece que realmente te sinto por perto o tempo todo, se esgueirando entre uma risada e outra, entre um projeto e outro, entre um momento feliz e outro.
Você vem me ensinando ao longo dos anos a desconfiar dos sorrisos, das bonanças e das recompensas que a vida á. Suas lembranças são um sinalizador vitalício de que jamais saberei ou terei controle sobre o que virá ao dobrar a próxima curva, ainda que ninguém saiba, esse não saber é uma tortura.
Talvez, apenas talvez, eu esteja sendo injusta dizendo que é você que me persegue pois, confesso que há momentos em que sinto sua falta. Entregar os pontos às suas exigências por alguns momentos pode ser reconfortante e ir contra você exige, quase sempre, um esforço descomunal e esse esforço exagerado pouco a pouco vai drenando toda energia dedicada a esse combate.
Poxa… você é forte! E persistente! E ainda é persuasiva!
Gostaria de dizer que sou o dobro de tudo isso que você é mas, aparentemente, não é bem assim.
Eu me pergunto e imagino como é levar uma vida sem ter que lidar com você o tempo todo. Observo as pessoas à minha volta e vez ou outra me deparo desejando me encaixar…
Sei que jamais saberei a verdade que as pessoas carregam em si, porque já tive amostras suficientes que me provam que o que vemos dos outros são lampejos de uma vida sonhada que nem sempre corresponde à realidade.
Você influenciou comportamentos meus, acredito, que desde que eu era uma criança… com traços e características que me acompanharam e que me representam até hoje. E como seria se não fosse assim?
Sinceramente acho até que já me acostumei. O que me incomoda em você é justamente o fato de você ir e vir a hora que quer e você sabe que faz isso… E faz com maestria, trazendo uma enxurrada de sentimentos desconcertantes e paralisantes.
É… Você me faz de boba, me dá espaço, me dá corda, me dá esperança, tudo isso para aparecer depois e me desconcertar.
Será que você não entende que não há futuro nisso? Não há um seguimento em que conseguiremos seguir juntas. Simplesmente não há.
Quantas vezes mais eu vou precisar entrar nesse embate pessoal com você?
Você me desgasta e eu sempre te dei tudo o que me pediu, algumas vezes até mais do que podia e ainda hoje cá estou eu dedicando o meu tempo a te suplicar novamente que se decida e que me deixe seguir meu caminho de maneira menos nebulosa e tortuosa.
Depois desse tempo todo, você não tem mais a capacidade de me fazer chorar ou me fazer ficar com raiva, nem mesmo de me fazer sentir tristeza. Mas você consegue me fazer sentir algo ainda pior: nada.
Você anula meus sentimentos de uma forma assustadora, mas não sei ao certo o que significa essa ausência de sentir… será você ficando mais fraca ou ainda mais forte sobre mim?
Sei que não me responderá, pois você nunca responde, nunca me dá solução, apenas me confunde e pesa sobre mim o peso do mundo.
Que mal desnecessário…
Quão desagradável ainda vai ser?
Por quantas vezes ainda vou viver toda essa angústia de sentir você à espreita, rondando e aos poucos tomando um espaço que deveria ser só meu?
E por que permito?
É correto dizer assim? Que eu permito que isso aconteça?
Talvez sim, pois como disse, há momentos em que o meu maior desejo é baixar a guarda e deixar que você assuma de vez os comandos desse sobe e desce que eu tenho chamado de vida. Quem sabe não é pra ser assim? Eu tenho estado mesmo cansada ultimamente e, de certo modo, sua companhia é certa e presente…
Quanta contradição… Saber que certamente poderei contar com o que me causa meus pensamentos mais sombrios e meus dias mais nublados.
Bom, aparentemente você é a única certeza que eu tenho. Mesmo não sabendo como ou quando virá, a vinda é certa, pode ser até que eu te chame sem perceber.
Enfim, depois de tantas palavras não consigo encontrar mais nada a dizer e ainda assim sinto que não disse nada. O tamanho de seu impacto sobre mim é intransferível, realmente só eu posso saber.
Sigo aqui, do melhor jeito ou do jeito que sou capaz de seguir.

Até breve,
Raquel Núbia.