Rima

Eu prefiro escrever
encontrando combinação.
Entre os versos e palavras,
quase como uma canção.

A poesia sem rima
não supre a necessidade,
De expressar os sentimento
Se não há finalidade.

E nessa busca por sentido,
Posso me estender sem me notar.
Construindo poesias gigantes,
por não querer me limitar.

Com a melodia que se forma,
o conteúdo vai se apresentando.
E quem lê, desfruta de tudo,
Enquanto fala, quase cantando.

Qual o tamanho do exercício,
que uma mente deve precisar,
para encontrar palavras certas
pelo prazer de rimar?

Se alguém possui o coração pequeno,
talvez tomado pela tristeza,
Que cuide para que não perca o olhar
para a arte pura e sua beleza.

Que continuem produzindo sentimentos,
Aqueles que, por rimar, não tem necessidade.
pois o que importa será sempre o conteúdo,
e que esse seja sempre de verdade.

Raquel Núbia

IMG_20171012_231803-01
Raquel Núbia. Foto: Leandro Oliveira – Rio das Ostras/RJ
Anúncios

Retrato

Um dia fui um retrato na estante,
E quem me olhava se alegrava ao me ver.
E com carinho e ternura acariciava,
Enquanto sorria quase sem querer.

Um dia fui um retrato na estante,
Que de repente se tornou uma dor maior.
E com tristeza e saudade eu fui olhada,
Enquanto alguém ali chorava ao estar só.

Um dia fui um retrato na estante,
Mas no outro dia, fui lembrança pra esquecer.
E com rancor e mágoa fui guardada,
Num canto escuro pra ninguém nunca mais ver.

Um dia fui um retrato na estante,
De quem hoje faz questão de não se lembrar.
Hoje nem rastro nem memória eu sou mais,
Daquele que um dia disse me amar.

IMG_1548.JPG
Foto: Raquel Núbia – Ouro Preto/MG

Raquel Núbia

Vasca*

O sofrer da impaciência,
que aflige o pensamento.
Apreensão. Inquietude,
que acompanha a todo tempo.

Aflição e agonia.
Tormento e estertor.
É o mal da mente em chamas,
que se tortura com o calor.

Desassossego do poeta
que, no caos, encontra a rima.
Angústia e apreensão.
Ladrão de autoestima.

Receio, estresse, vasca.
O corpo em ebulição.
Escravo do futuro,
Com o presente em sua mão.

Contido ou generalizado,
o transtorno de ser perfeito.
É o remédio que mata
de efeito contrafeito.

Aspiração, avidez.
Esse inimigo interno.
Sofreguidão que acompanha,
até o descansar eterno.

IMG_1542.JPG
Foto: Raquel Núbia – Ouro Preto/MG

Raquel Núbia
*Vasca: Ânsia que precede os últimos momentos. Agonia. Momento extremo. Limite.

Eu quero

Eu quero paredes brancas, eu quero janelas abertas…
Eu quero varanda molhada, eu quero uma vista discreta.
Eu quero vidros limpos e uma vegetação lá fora…
Eu quero uma escrivaninha sem compromisso com a hora.
Eu quero café para dois, com xícaras sobre a mesa.
Eu quero meias nos pés e sonho de sobremesa.
Eu quero o silêncio da chuva…
Quero o prazer da solidão.
Eu quero uma folha em branco e uma caneta na mão.
Eu quero um mural de fotos, com fotos de gente comum.
Eu quero poltronas e mantas.
Eu quero lugar para mais um.
Eu quero um tempo pra mim.
Eu quero chorar e sorrir.
Eu quero encontrar uma forma,
De querer e também conseguir.

Eu quero

Raquel Núbia