Você tem valor

Uma das coisas mais importantes que devemos saber de nós mesmos é o nosso valor, o quanto valemos, o quanto somos importantes e bons, independente do reconhecimento que vem de fora. Nesse momento não sei dizer exatamente se isso se encaixa em ter autoestima, porque o que quero dizer é de sabermos o que e quem somos mesmo quando todo o mundo tenta nos convencer do contrário, quanto tudo e todos nos questionam.
O reconhecimento é uma das grandes fontes de estímulo para nos sentirmos motivados, a falta dele pode nos impactar grandemente, principalmente quando o desdém, o questionamento vem de onde achávamos que teríamos apoio e gratidão.
Quando o mundo ao redor zomba de nós e nos mostra pela força e autoridade do poder que, aos seus olhos, não temos sangue nobre, que nos misturamos à mesma categoria daqueles que são comuns, medianos, ainda que nossos resultados e comportamentos mostrem o contrário, nesse momento precisamos nos recordar que temos valor, que somos preciosos.
Em resumo, sem palavras bonitas, existe muita gente ruim no mundo, sem ética e inseguras, que precisam se provar pela diminuição do outro, pelo “crescimento” de qualquer jeito ainda que custe a paz ou o bem estar do outro.
Essas pessoas tendem a sugar nossa energia, nos fazer questionar nossa jornada, nossa vontade de continuar, trazem o sentimento de aprisionamento e subjugação por nem sempre encontramos saídas ou opções que nos tirem de onde estamos e assim ficamos sujeitos ao querer de quem não tem limites para o que deseja.
Nessa hora precisamos entoar um mantra constante até que possamos reaprender e acreditar novamente que o que sentimos é prioridade, que o que fazemos é importante e que nós somos joias raras e que, ainda que não nos seja dado, o tratamento condizente por terceiros, nós precisamos nos tratar de acordo com o valor que temos.

Raquel Núbia

2019-09-05
Foto: Raquel Núbia. Muriaé/MG
Anúncios

Relembrando: Dos motivos errados

Um lembrete constante para não deixarmos nos confundir por tantas influências e pensamentos externos que podem nos impactar e nos desviar de nossos verdadeiros objetivos e de nossa verdadeira essência.

dos motivos errados

Dos motivos errados

Tem dia que parece que foi feito para mostrar pra gente que não é permitido sonhar. Na verdade, não são dias inteiros (às vezes são), mas alguns momentos que trazem a realidade socando a porta no intuito de lançá-la ao chão e escancarar a verdade com ou sem a nossa permissão.
Quando é assim, me questiono a real motivação do “sonho”: “Por que estou fazendo isso? Por que quero aquilo? Por que tenho pressa?”
Às vezes me flagro no ímpeto de realizar coisas, somente (quase somente) para provar um ponto de vista e isso me incomoda.
Não há nada de errado em se espelhar em alguém, em ter um modelo, até mesmo uma inspiração, mas não é disso que estou falando.
Estou falando de um sentimento mesquinho de validação, direcionado a pessoas que não tem valor (em qualquer sentido) e, portanto jamais poderiam validar a mim ou a outras pessoas de qualquer forma.
Já faz bem tempo que deixei de viver conforme o desejo do outro e me policio constantemente para fazer as coisas pelos motivos certos, e não esperando um retorno de outras pessoas, ainda mais de pessoas que não me acrescentam nada, muito pelo contrário.
Acho que a vida é assim mesmo e vez ou outra exige um esforço danado para que a gente se lembre de lutar, seguir e persistir pelos motivos certos.”

Raquel Núbia

“Ponto&Vírgula” – Post 05

Em um mundo com tantas inspirações, respirar é preciso

Todo esse discurso de auto aceitação é muito lindo, muito necessário e tem sido muito discutido e divulgado, entretanto há uma grande diferença entre um discurso e sua ação prática.
Existem tantas histórias inspiradoras, de pessoas que lideram mudanças e atuam como multiplicadores de uma nova ideologia. Mas o que é “inspiração”?
Não sei quanto a vocês, mas eu acredito sim no poder do estímulo, entretanto a decisão do quanto esse estímulo ou “inspiração” vai modificar o comportamento ou pensamento do sujeito, está unicamente nas mãos desse indivíduo.
Claro que, quanto mais exposição a fatores de inspiração positiva, maior a probabilidade de que esse fator atue efetivamente para uma mudança positiva, porém se a mudança não ocorrer internamente, não já inspiração que baste e seja suficiente.
Eu, particularmente, tenho um pouco (leia-se muita) dificuldade de “comprar” esse discurso, esse lifestyle.
Geralmente as pessoas recorrem muito a argumentos ligados a “mantras” do tipo: “basta se dedicar”, “quem quer, consegue” e coisas do tipo.
Eu não poderia discordar mais!
Às vezes não basta querer. Às vezes não basta dedicação. Às vezes a vida exige muito mais do que isso! E esse discurso que coloca tanta responsabilidade e poder sobre o sujeito pode ser uma fonte inesgotável de frustração!
A gente costuma aprender muito cedo que a vida não é justa e quase nunca divide as coisas boas que distribui em partes iguais (eu, pelo menos, aprendi isso faz um tempo). Essa divisão nem sempre depende de nós. Algumas sim, mas nem todas.
A gente pode oscilar muito entre os desejos, objetivos e a quantidade de esforço que estamos dispostos a fazer e essa variação está atrelada a uma infinidade de motivos.
As pessoas se motivam de diferentes formas e dispõem de diferentes recursos.
Nem sempre uma foto ou uma história emocionante bastam para causar uma mudança interior. Aliás, “uma história” ou a história de uma minoria (minoria aqui como grupo em menor quantidade, no geral) não deve ser tomada 100% como exemplo, como regra geral.
Se aquela minoria/pessoa conseguiu algo, seja lá o que foi, isso pode significar que, sim, você também pode conseguir ou que talvez você não consiga, ou ainda pode não significar nada! E tudo bem!
T-u-d-o B-e-m!
Eu não tenho que conseguir apenas porque alguém conseguiu, fazer porque alguém fez, buscar superação porque alguém se superou e, principalmente, eu não preciso querer apenas porque o outro quis.
E falo tudo isso na primeira pessoa porque é algo que eu preciso aprender e, talvez, você também.

Vamos parar só um momento para analisar:

De tudo o que nos dedicamos, das nossas metas, do quanto buscamos, quantas coisas condizem com a nossa verdade? O que é real?
De todas as nossas frustrações, chateações, dos desânimos que sentimos, quantos são advindos dessas coisas que não são nossas?
São muitos imperativos usados hoje em dia.
São muitas frases de efeito.
São muitas exceções se tornando regra.
A gente não “tem que” nada!
Você não “tem que” inclusive ler esse texto até o final ou concordar com o que eu escrevo.
A gente deveria mesmo era se comprometer com os nossos desejos originais, estabelecer nossos limites e lembrar sempre que somos nós que fazemos essas definições. E que possamos fazer da melhor forma possível e de maneira responsável.
Mas, voltando no primeiro parágrafo desse texto:

Todo esse discurso de auto aceitação é muito lindo, muito necessário e tem sido muito discutido e divulgado, entretanto há uma grande diferença entre um discurso e sua ação prática.

Sendo assim:
Faça o que você quiser, do jeito que quiser.
No final, a gente é cobrado de qualquer forma e às vezes somos julgados também.
Que, frente a isso, sejamos justos com os outros e com a gente mesmo.
O meu querer não é o seu.
A minha motivação não é a sua.
As minhas dificuldades não são as suas.
A minha vida não é a sua e a sua vida não é de mais ninguém.
Recorrendo ao mesmo imperativo que critiquei ainda agora: Escolha quem VOCÊ quer ser e seja.

Raquel Núbia

Imagem5

O estímulo nosso de cada dia

Por ter estudado tanto Motivação durante minha graduação e trabalhar esse conceito constantemente devido a minha área de atuação profissional, acredito que a motivação é algo intrínseco, peculiar de cada indivíduo e que o que pode ser feito para melhorá-la são estímulos constantes visando alcançar o “motivador” de cada um.
Sendo assim, hoje venho agradecer a todos os leitores que clicaram naquele botãozinho azul de “seguir”, pois nesta data completamos 701 seguidores! Apesar de o Verba Volant ter quase 03 anos, somente nos últimos 08 meses comecei a dedicar mais tempo para interagir com outros bloggers/escritores e para expandir os acessos ao meu/nosso blog e desde então o crescimento tem sido nítido e gratificante.
Números podem ser apenas números, mas podem ser também estímulos que motivam, e muito, quando penso que cada número desse representa uma pessoa que em algum momento teve e vai ter acesso ao conteúdo que eu escrevo aqui de tão longe da maioria de vocês.
E isso me faz ter vontade de continuar.
Quem leu o post que antecede a este, viu minha angústia quando parei de receber notificações do WordPress, porque pensei, de verdade, que minhas crônicas, vídeos e poesias não estavam mais agradando e alcançando ninguém… E se minhas palavras e melodias não podem mudar um segundo de uma vida sequer, então não há motivo para manter o Blog e sim voltar a ter apenas um diário.
Agradeço verdadeiramente a todos que interagem com minhas postagens, que curtem, comentam ou apenas leem sem deixar registros. Tento responder a todos e também estar atenta ao que vocês postam, pois me encontro em conteúdo de vários blogs daqui.
Não sei por quanto tempo essa motivação de manter as palavras sendo levadas pelo vento ainda vai durar, mas ter cada um de vocês aqui contribui e muito para que isso aconteça.

Aproveito para convidar a todos para curtir também a página do Verba Volant no Facebook, que você pode acessar clicando aqui.

Um grande abraço,
Raquel Núbia

Imagem1

Perspectiva

Engraçado como sempre colocamos nossa vida em perspectiva. Inevitável a tal da comparação do que vivemos com as pessoas que estão a volta, sejam elas reais ou irreais, próximas ou distantes, amadas ou não. Mesmo que seja sem querer, inesperadamente caímos nesse tal limbo.
Algumas vezes isso serve como um estímulo para seguirmos em frente, conquistar o que ainda não conquistamos, investir novamente no que havíamos deixado parado.
Outras vezes serve exatamente para o contrário… Como desânimo, desalento de uma possível realização ou situação que nunca chegará.
Mais intrigante mesmo é que quando olhamos para fora, não costumamos nos comparar de uma forma que nos permite enxergar o quanto já caminhamos, o quanto já conseguimos. Pelo, contrário. Geralmente é para vermos o quanto ainda achamos que precisamos correr, andar, dedicar, sofrer e lutar para conseguir algo mais.
Pessoalmente eu tento me policiar constantemente porque sei que sou minha pior inimiga nesse sentido. Posso me cobrar de maneiras impensáveis e por isso vigio para que não atropele meus próprios sonhos, para que possa desfrutá-l0s verdadeiramente e não apenas para somar mais um resultado, mais um êxito.
Sugiro, se é que posso, que façam isso também.
Cuidem de suas vidas e de seus projetos como eles realmente são: somente seus.
Fiquem atentos para que, ao se colocarem em perspectiva, não se enganem, usando lentes de aumento para o que veem lá fora e lentes embaçadas para o que veem por dentro.
Sejamos reais por nós mesmos. Afinal, nós não precisamos provar nada para ninguém.

Raquel Núbia

download_20170622_062256
Foto: Leandro Oliveira – São João Del Rei/MG

Prato do dia

Olha esse gosto de felicidade
Que adentrou com tudo o meu paladar,
Desceu pela garganta
E se espalhou pelo corpo todo…
Nutrição melhor não há
Sustenta qualquer ser humano
Que saiba ser humano.
Felicidade de um
Motivo do amor do outro
Que se derrama no sorriso bobo
Que vem sem motivo
E qual motivo se precisa para ser feliz?
A felicidade é o motivo!
Ela me alimenta
É o prato principal
Do qual compartilho com quem mais estiver sentado à mesa.
E para aqueles que se levantaram… Ah, não tem problema… Outro dia vai chegar…
Enquanto eu vou servindo ao outro o que me mantém de pé… Tudo bem, não é por obrigação…
Tenho um estoque de felicidade… Que nunca vai faltar. E coloco à disposição de quem quiser, está servido!
Felicidade a vontade.
images (3)
Raquel Núbia