Aquele que pertence à luz

De todos os anjos do céu,
De todas as pessoas do mundo,
Dos sentimentos mais puros,
Do sentimento profundo.
De toda jovialidade,
Da falta de sabedoria,
Do amor que brota e cresce,
Da imensidão de cada dia.
Dos olhos que me buscam,
Do toque tão pequeno,
Do rosto angelical,
Do olhar sereno.
Da miudez de uma vida,
Da grandeza do sentimento,
Do amor incondicional,
Do vínculo de cada momento.
Da preocupação com bem estar,
Do desejo de plenitude,
Da vontade de ser tudo,
Do medo da juventude.
Do laço inquebrável,
Do dar-se sem perceber,
Do coração mais puro e terno,
Da nova vida a crescer.
De todos os erros e acertos,
Dos medos que se sente,
Do esforço diário e contínuo,
Da relação que brota da gente.
De tudo o que se aprende,
Do tanto que ainda não se sabe,
Do pouco que dá pra fazer,
Do mundo que me cabe.
Da sinceridade da insegurança,
De não ser o que é necessário,
Da vida que cabe nas mãos,
Do compromisso diário.
De todos os anjo do céu,
De um Deus que me dá guarida,
De um amor que é inexplicável,
De sempre, pra sempre, minha vida.

Raquel Núbia

IMG_6042_Facetune_20-05-2019-16-21-32.jpg
Foto: Raquel Núbia
Anúncios

Lassidão

Eu queria voar bem alto
e ir pra onde o sol se esconde.
Voar além das nuvens
onde ninguém jamais me encontre.

Eu queria correr pra longe
e ir depois daquele horizonte.
Seguir até o fim da estrada
Onde ninguém jamais me encontre.

Eu queria mergulhar fundo
e ser água que vem da fonte.
Submergir no silêncio do mar
onde ninguém jamais me encontre.

Eu queria queimar o fogo
e ver a chama arder, aos montes.
Ser a brasa que se apaga
onde ninguém jamais me encontre.

Eu queria transcender o mundo
Ser luz da vida, que o outro aponte.
Mas, sigo num mundo de faz de conta
onde, quem sabe, eu me encontre…

Raquel Núbia

IMG_20171214_184047026_HDR
Foto sem filtro: Raquel Núbia – Búzios/RJ

 

Soledade

A maioria das pessoas diz que a vida é feita de ciclos. Eu mesma já escrevi algumas vezes falando isso, afirmando que quando algo termina, outra coisa começa, que quando alguém se vai, alguém ou alguma coisa, chega. E nessa linha a gente vai dando adeus e boas vindas pra tudo o que a vida nos apresenta.
O ponto comum, pra mim, é a solidão.
Solidão em todos os significados que a palavra guarda.
Não importa o que aconteça, quantas pessoas temos por perto, se é voluntário ou não, em algum momento o que resta é a solidão. Que dure dias ou horas.
Não importa quantos ciclos se encerram, nem de que forma estes ciclos terminam. A constante é estar ou se sentir só.
Nessa solidão é possível se reencontrar, encontrar pensamentos, vontades e saudades que já nem se lembrava que existiam, boas ou ruins.
No fim de tudo, estamos mesmo sós.
Somos apenas nós por nós mesmos.
Estar só é como ver a luz se apagar de repente. Nos primeiros minutos é preciso um ajuste dos olhos pra conseguir enxergar o que está a volta. Essa cegueira momentânea pode causar certo medo, mas com o tempo conseguimos discernir, mesmo sem muita clareza, o que nos cerca.
As pessoas sempre nos deixam, mesmo que seja por pouco tempo, ninguém está disposto a ser claridade na estrada do outro o tempo todo.
É necessário se habituar a isso.
Aprender a andar no escuro seguindo a intuição para que a falta da luz não abale mais.
Aprender a iluminar o próprio caminho.

 

selct
Foto: Raquel Núbia

Raquel Núbia

Aqueles que são por nós

Gostamos de algumas pessoas que não conhecemos bem e com elas nos preocupamos… nos importamos com o que vão pensar, o que vão falar, se estão satisfeitas, se podemos fazer algo para ajudá-las… Algumas pessoas que não nos conhecem tão bem também costumam se preocupar da mesma forma, mas só algumas.

Enquanto isso, o que fazemos com aqueles que nos conhecem bem e se importam por saberem verdadeiramente quais as nossas necessidades, nossos medos e nossos sonhos?

Quantas vezes descontamos toda a nossa ira e nossa frustração justamente nos que estão mais próximos?

Isso é até comum, mas não pode ser considerado normal… os que estão mais perto certamente sofrerão mais as consequências quando nossa bombas explodirem e os maiores estilhaços os atingirão primeiro, sobrando para os demais somente o vendo forte da explosão.

Acredito que se gostam realmente, saberão nos ajudar a limpar a bagunça e começar novamente, entretanto se nós gostamos realmente também vamos aprender…

Aprender que uma hora as pessoas se cansam de fazer o trabalho dos outros e pelos outros… se cansam de aparar as arestas, de ser o ponto forte e o porto seguro, não porque deixaram de nos gostar, mas porque também precisam de referências como estas.

Não podemos deixar de reconhecer aqueles que nos dão a chance e o motivo para tentar de novo, que compreendem nosso lado mais sombrio e, para ele, tentam trazer um pouco de luz afinal.

aqueles que são

Raquel Núbia