Relembrando: Distraído

Vamos fechar o mês de novembro #relembrando uma das minhas crônicas favoritas já postadas aqui no Verba Volant. Com ela deixo um convite para repensarmos como temos encarado os acontecimentos da nossa vida. Será que estamos tomando responsabilidade pelo que nos acontece ou estamos delegando isso à quem nos cerca?
Precisamos refletir, pois enquanto não tomarmos nossa parte e agirmos sobre ela, não conseguiremos efetivar as mudanças que desejamos para nós:

“Quando foi que nos tornamos assim, tão especiais?
Quando foi que o mundo passou a girar ao nosso redor?
Quando foi que todas as pessoas que conhecemos começaram a agir em nosso favor ou contra nós?
Em algum intervalo de tempo, eu perdi esse momento e, de repente, quando voltei à “realidade” pude ver somente o caminhar das coisas, o reclamar, a busca incessante pela responsabilidade e culpa alheia. De 8 ou 80 o que ouço são pessoas adultas se denominando meninos e meninas, fazendo das paredes, espelhos que só refletem sua própria imagem e assim, tudo o que os cerca, tudo o que acontece está voltado para eles mesmos.
Não, eu não falo de selfies, bons ângulos, filtros, likes…
Eu falo de pessoas se eximindo de suas vidas, colocando no colo do outro as causas para suas mazelas e belezas… Se estou triste, a culpa é do outro que me magoou… Se me olharam, é porque sou demais e irresistível… Se me traíram, é porque outra pessoa roubou meu amor… Se revidei a alguma agressão é porque fui provocada ao máximo por outra pessoa.
Nunca me sinto triste por problemas meus… As pessoas nunca me olham por olhar… Se fui traída, não foi por falta de qualidade minha… Se revidei não é porque perdi o controle… clique aqui para continuar lendo.”

Raquel Núbia

Distraído