Sobre ser limite

Quantas vezes você já pensou em não ser você mesmo? Já pensou em tudo o que sente vontade e desejo de fazer e que por um motivo ou outro não consegue, não é capaz? Coisas simples, do dia a dia, comuns a tantas pessoas, em tantos lugares, mas que parece sempre tão custoso, tão difícil?
Venho aprendendo e reaprendendo contínuas vezes que a gente só deve depositar nossas expectativas, sentimentos e emoções na gente mesmo. É triste mas necessário lembrar que grande parte das pessoas nos enxergam somente como uma parte de seus jogos e seus interesses, que nos solicitam quando essa conveniência acaba, tudo o que se passou é jogado num limbo até que sejamos necessários novamente.
Às vezes temos sido depósito para que as pessoas despejem sobre nós suas frustrações, preocupações e tristezas se reenergizando para prosseguir com suas vidas junto às pessoas de seu cotidiano, após transferirem suas bagagens.
Mas como culpá-los se as pessoas só depositam em nós aquilo que permitimos?

Raquel Núbia

Imagem3
Foto: @eubrunolopez

Indagações

Eu sonhei demais?
Será que fiz das nuvens, minha casa
E das estrelas, companhia?
Do céu, minha morada
De onde, sonhar era o que eu fazia?
Será que mirei no sol,
Mirei na lua ao anoitecer?
E construí meu conto de fadas
Sob a areia que só faz ceder?
Será que meu alimento, que era esperança, não valeu de nada?
Será que eu fechei meus olhos ou que me deixei ser despedaçada?
Será que eu sonhei demais?
Será que o que desejei e acreditei não existe no mundo?
E que o que a minha história é rasa e não encontra o que é profundo?
Será que eu desenhei o meu destino em cores, versos e canto,
mas que a vida que me foi dada foi rascunhava em preto e branco?
Será que fui eu quem errou ao alinhar as expectativas?
Ao achar que o caminho seria repleto de flores vivas?
Será que a culpada fui eu por levar a certeza de que eu merecia… quando não verdade sou eu a causa do luto no dia a dia?
Será que é isso mesmo e que a vida é um projeto de médio resultado e que não adianta querer, no final de tudo, o pote dourado?
Ou será que fui eu quem pensei que não seria nada demais e que hoje recolho os frutos amargos, por sonhar demais?

Raquel Núbia

9BB3EA47-EF33-489B-A3D8-C4D138994166
Foto: @raquel__nubia – Muriaé/MG

DIA #22 – 30 DAY CELEBRATION

22Em dezembro de 2006 fui ao meu primeiro show da minha banda favorita, Angra <3, que aconteceu no Canecão – RJ.
A foto que ilustra esse post foi tirada no dia seguinte, quando já estava na minha cidade, e eu usava a camisa da banda que havia comprado lá no Rio. Me lembro totalmente da felicidade que senti quando vi que a banda se apresentaria naquela cidade, pois de todos os locais era o mais viável para que eu fosse. Foram meses de expectativa e preparação… Na época eu ainda não trabalhava então conseguir o dinheiro para comprar ingressos, passagens e o que fosse mais necessário, foi uma missão! Mas valeu muito a pena.
Boas lembranças de um tempo bom…

Abraços,
Raquel Núbia

DSC07733
Foto: Raquel Núbia – 2006

 

Imprensa

Aí você está olhando as notícias sobre seu blog nos jornais da sua cidade e descobre uma matéria de meses atrás que ainda não tinha visto… No post original, que você pode ler aqui, conto sobre a minha participação em um evento realizado no final do ano passado dedicado ao desenvolvimento literário e cultural nas escolas públicas da cidade. Se você ainda não viu, basta clicar para ver fotos do evento e o vídeo da minha participação, onde recitei uma das minhas poesias.

E a matéria que encontrei você pode ler aqui.

img_20161022_220930
Foto: Leandro Oliveira

Abraços,

Raquel Núbia

Navegando

Uma foto borrada,
Uma imagem apagada,
Já nem sei mais quem sou.

Uma foto da estrada,
Um caminho no nada,
Já nem sei pra onde vou.

A foto de um sorriso,
De um lugar, um paraíso.
Nem sei onde pertenço.

Uma foto sem aviso,
De algo que eu nem preciso.
Já nem sei o que penso.

navegando

Uma foto, inspiro.
Um desejo, suspiro.
Não sei o que fazer.

Uma foto borrada,
Uma imagem apagada,
Já nem sei mais quem ser.

Raquel Núbia