Ho Ho No

Que pena que esse fim de semana acabou.
Foi o último fim de semana “normal” e o próximo só será dia 05/01/2019.
Nesse meio tempo seremos inundados de uma obrigatoriedade de estarmos ao lado da “família”, “confraternizando” com as pessoas que “amamos”. Sim, tudo entre aspas.
Particularmente detesto essa época do ano, especialmente o Natal. Óbvio que não pelo significado, mas sim pelo que somos ensinados desde sempre que estas datas devem representar.
Tanta doutrinação faz com que tudo que não se encaixe seja sentido como errado. Se você, como eu, não teve esse costume de socializar com tanta gente essa época “mágica” de fim de ano, sabe do que estou falando.
As opções fora o que é padronizado são mínimas. Acredite, ano passado não havia um restaurante ou delivery funcionando. Qualquer coisa que garantisse uma noite normal, em casa.
Os convites devem ser aceitos, caso contrário a estranheza é sentida imediatamente: “mas vai ficar sozinha nessa data?”.
Há uma obrigação de compartilhar esperanças, planos, realizações, felicidade, união. Se você não sente isso ou não tem vontade desse compartilhamento, está inevitavelmente errado.
E a pressão vinda de todos os cantos é tanta que, eventualmente, a gente acaba de sentindo errado mesmo. Tipo, “qual o meu problema?”, quando, na verdade, não há problema algum.
O problema está na falta do encaixe ao que se é esperado. Todos precisam celebrar. Isso é o correto. E se você não teve esse histórico de celebração familiar, não se sente a vontade ou com desejo disso, está fadado a dois destinos:
1-Participar de tudo porque simplesmente é isso que você deveria fazer;
2-Participar de nada e se indispor com todo mundo ao seu redor que é incapaz de um compreender que cada um tem um costume;
Independente de qual destino será o seu, uma coisa é certa:
O incômodo/culpa/melancolia que você sentirá como consequência.
E isso nos leva ao próximo ponto:
As pessoas não entendem como você pode não estar plenamente felizes nessa época do ano. Não entendem se você se sente triste, melancólico e sensível. E isso se torna um ciclo infinito que só acaba no dia 02/01 quando a vida tende a voltar ao “normal”.
Enquanto isso, somos bombardeados com uma avalanche de estímulos das famílias perfeitas, dos amigos felizes, das viagens paradisíacas, da plenitude daqueles que tem pelo menos o necessário para se encaixar no padrão. E quem não tem? F@#*-se.
O certo é se juntar a todos, sorrir, abraçar, celebrar e seguir o fluxo.
Sinceramente…
Se bastasse apenas cortar o acesso às redes sociais e à TV nessa época seria fácil, mas não é tão simples assim.
O contágio do espírito de fim de ano está em todos os lugares – não há como fugir.
Então, se você for como eu, e sente crescer ainda mais nessa época do ano o sentimento de não pertencimento, do desencaixe, estamos juntos.
Assim como foi no ano passado, serão longos 15 dias.
E, se você, para sua sorte, não é como eu, aproveita sua ficção natalina, desfrute de sua plenitude e de sua capacidade de se preencher de uma magia estereotipada e vazia, que tende a não ser mais do que isso.

Raquel Núbia

MV5BMjEwMTY3ODkxMV5BMl5BanBnXkFtZTgwNzMyODgxMzE@._V1_SY1000_CR0,0,1148,1000_AL_
Imagem retirada da internet
Anúncios

Retrospecto

Fim de ano sempre bate essa nostalgia mesmo, não é?
Esse ano em especial, não sei porque, o sentimento nostálgico de “natal” veio um mês antes, pois algumas partes do dia pra mim tem parecido véspera desse feriado. Eu não sei explicar direito o que sinto, só sei que sinto uma certa tristeza sem ser necessariamente uma tristeza triste, quase como saudosista, por tudo o que poderia ter sido mas não foi.
Geralmente invoco memórias mais antigas que terminam num suspiro, seguido de uma interrogação ou uma exclamação, mas nunca um ponto final.
Ano passado fiz um grande post refletindo as realizações daquele ano, mas acho que dessa vez não quero fazer. Vou apenas deixar passar os dias até que o dia 31/12 possa nos presentear com um embrulho bem lindo, com laço lilás e uma caixa decorada com nossas expectativas que, provavelmente abriremos as pressas só pra nos arrependermos mais tarde de não ter desembrulhado tudo com mais calma e cuidado…

23737618_1193273570773194_1821393367946627208_o.jpg
Foto: Pedro Khastellar