Relembrando: Costume

E no dia da mentira o #relembrando traz uma poesia que trata nada mais do que a verdade de que,  às vezes, temos que viver nossa vida mascarando nossos reais sentimentos e desejos, simplesmente para se adequar a alguma pressão social.
Espero que essas situações se tornem cada vez mais escassas e que não percamos nossa essência no meio de tanta gente.

Costume
Imagem retirada da internet

“Costume

A gente se acostuma com a ausência
Se acostuma com a casa vazia.
A gente se acostuma com a falta
Com o dia a dia.

A gente se acostuma com as negativas
Se acostuma com o que não pode fazer.
A gente se acostuma com o distanciamento
Com o que não pode ter.

A gente se acostuma a caminhar longe
Se acostuma a não interagir.
A gente se acostuma a não demonstrar
A não se despedir.

A gente se acostuma a fingir sentimento
Se acostuma a fingir que não sente
A gente se acostuma a fingir que não vê
A fingir que não mente.

A gente se acostuma a não poder tocar
Se acostuma a ignorar a necessidade
Só não se acostuma com a ideia
De que viver uma vida certa,
Devido aos olhos alheios,
Não possa ser verdade.”

Raquel Núbia

Anúncios

Costume

alone-black-and-white-couple-in-love-dark-Favim.com-2824157

A gente se acostuma com a ausência
Se acostuma com a casa vazia.
A gente se acostuma com a falta
Com o dia a dia.

A gente se acostuma com as negativas
Se acostuma com o que não pode fazer.
A gente se acostuma com o distanciamento
Com o que não pode ter.

A gente se acostuma a caminhar longe
Se acostuma a não interagir.
A gente se acostuma a não demonstrar
A não se despedir.

A gente se acostuma a fingir sentimento
Se acostuma a fingir que não sente
A gente se acostuma a fingir que não vê
A fingir que não mente.

A gente se acostuma a não poder tocar
Se acostuma a ignorar a necessidade
Só não se acostuma com a ideia
De que viver uma vida certa,
Devido aos olhos alheios,
Não possa ser verdade.

Raquel Núbia

Silêncio

“Que falta me faz o silêncio, dono dos fins de tarde, já costumeiro.
Que falta da ausência do som, ecoando na casa, acalmando o barulho de um dia inteiro.
Que falta me faz o simples ato de não ouvir, de guardar a quietude e sentir o pensamento fluir.
Que falta me faz a palavra calada e o ritmo da fala inexistente.
Eu me pergunto quanto tempo falta pra que essa falta se faça presente…”
IMG_20151208_221045
Raquel Núbia

O cansaço e o costume

Como é fácil se acostumar com algumas coisas… e como é fácil se cansar de outras…
Nos acostumamos até com o que não devemos. Com o mau humor do outros, com a falta de educação, com os problemas no trabalho, com a falta de amor…
Nos cansamos de acordar cedo, de ir ao trabalho, da rotina de casa, dos problemas dos amigos e dos problemas que nos causam os inimigos…
Às vezes nos acostumamos fácil demais com muito menos do que merecemos, apenas por estarmos cansados de seguir em frente, por estarmos cansados de lutar contra.
Quando isso acontece, parece que caímos em um sono profundo em que não conseguimos reagir às atitudes dos outros nem mudar as nossas próprias… eu não quero mais dormir desse jeito…
Não podemos basear o comportamento dos outros pelo nosso porque somos indivíduos e diferentes por natureza. Entretanto, também não podemos nos acostumar a nos submeter aos prazeres dos outros sem questionar… Até que ponto podemos suportar a bagagem que outras pessoas nos dão para carregar?
Até que ponto devemos suportar?
Devemos suportar?
Posso ser até que o me bata o cansaço, mas vou correr para que o costume não me alcance.

O cansaço e o costume
Imagem: explorelifestyle.com

Raquel Núbia