Carta para ela

IMG_20161104_170240.jpg
Raquel Núbia. Foto: Leandro Oliveira

Então é isso, você realmente não me deixa… você sempre some por um tempo, se esconde, desaparece e eu quase me esqueço que um dia te conheci… mas aí você volta… E eu nem sei porque faz isso.
Se bem que, parando pra pensar direito, parece que realmente te sinto por perto o tempo todo, se esgueirando entre uma risada e outra, entre um projeto e outro, entre um momento feliz e outro.
Você vem me ensinando ao longo dos anos a desconfiar dos sorrisos, das bonanças e das recompensas que a vida á. Suas lembranças são um sinalizador vitalício de que jamais saberei ou terei controle sobre o que virá ao dobrar a próxima curva, ainda que ninguém saiba, esse não saber é uma tortura.
Talvez, apenas talvez, eu esteja sendo injusta dizendo que é você que me persegue pois, confesso que há momentos em que sinto sua falta. Entregar os pontos às suas exigências por alguns momentos pode ser reconfortante e ir contra você exige, quase sempre, um esforço descomunal e esse esforço exagerado pouco a pouco vai drenando toda energia dedicada a esse combate.
Poxa… você é forte! E persistente! E ainda é persuasiva!
Gostaria de dizer que sou o dobro de tudo isso que você é mas, aparentemente, não é bem assim.
Eu me pergunto e imagino como é levar uma vida sem ter que lidar com você o tempo todo. Observo as pessoas à minha volta e vez ou outra me deparo desejando me encaixar…
Sei que jamais saberei a verdade que as pessoas carregam em si, porque já tive amostras suficientes que me provam que o que vemos dos outros são lampejos de uma vida sonhada que nem sempre corresponde à realidade.
Você influenciou comportamentos meus, acredito, que desde que eu era uma criança… com traços e características que me acompanharam e que me representam até hoje. E como seria se não fosse assim?
Sinceramente acho até que já me acostumei. O que me incomoda em você é justamente o fato de você ir e vir a hora que quer e você sabe que faz isso… E faz com maestria, trazendo uma enxurrada de sentimentos desconcertantes e paralisantes.
É… Você me faz de boba, me dá espaço, me dá corda, me dá esperança, tudo isso para aparecer depois e me desconcertar.
Será que você não entende que não há futuro nisso? Não há um seguimento em que conseguiremos seguir juntas. Simplesmente não há.
Quantas vezes mais eu vou precisar entrar nesse embate pessoal com você?
Você me desgasta e eu sempre te dei tudo o que me pediu, algumas vezes até mais do que podia e ainda hoje cá estou eu dedicando o meu tempo a te suplicar novamente que se decida e que me deixe seguir meu caminho de maneira menos nebulosa e tortuosa.
Depois desse tempo todo, você não tem mais a capacidade de me fazer chorar ou me fazer ficar com raiva, nem mesmo de me fazer sentir tristeza. Mas você consegue me fazer sentir algo ainda pior: nada.
Você anula meus sentimentos de uma forma assustadora, mas não sei ao certo o que significa essa ausência de sentir… será você ficando mais fraca ou ainda mais forte sobre mim?
Sei que não me responderá, pois você nunca responde, nunca me dá solução, apenas me confunde e pesa sobre mim o peso do mundo.
Que mal desnecessário…
Quão desagradável ainda vai ser?
Por quantas vezes ainda vou viver toda essa angústia de sentir você à espreita, rondando e aos poucos tomando um espaço que deveria ser só meu?
E por que permito?
É correto dizer assim? Que eu permito que isso aconteça?
Talvez sim, pois como disse, há momentos em que o meu maior desejo é baixar a guarda e deixar que você assuma de vez os comandos desse sobe e desce que eu tenho chamado de vida. Quem sabe não é pra ser assim? Eu tenho estado mesmo cansada ultimamente e, de certo modo, sua companhia é certa e presente…
Quanta contradição… Saber que certamente poderei contar com o que me causa meus pensamentos mais sombrios e meus dias mais nublados.
Bom, aparentemente você é a única certeza que eu tenho. Mesmo não sabendo como ou quando virá, a vinda é certa, pode ser até que eu te chame sem perceber.
Enfim, depois de tantas palavras não consigo encontrar mais nada a dizer e ainda assim sinto que não disse nada. O tamanho de seu impacto sobre mim é intransferível, realmente só eu posso saber.
Sigo aqui, do melhor jeito ou do jeito que sou capaz de seguir.

Até breve,
Raquel Núbia.

Anúncios

Indizível

Velha e boa amiga angústia
Que insiste em não me deixar.
Tristeza companheira
Que gosta de me abraçar.

Esse é o caminho
Que eu não consigo aprender.
Essa vida que eu não quero,
É a única pra viver.

Vendo as pessoas e suas personas
Subindo cada degrau.
Me olhando lá de cima
Enquanto eu aqui me sinto tão mal.

Me importando com coisas e gente
Que não queria me importar.
Mas essa é minha essência,
Não posso simplesmente ignorar.

Eu já aprendi quem é bem me quer,
E quem não me quer de jeito nenhum.
Aprendi quem vale a pena
E quem não vale tostão algum.

Mas mesmo frente a tudo isso
Sinto impossível não questionar.
O que faz os outros se moverem
Mas me mantem no mesmo lugar?

Em alguns momentos
Tudo volta ao antigo normal.
Mas basta um olhar em volta
Pra realidade habitual.

O normal agora é passado
E de passado não se vive mais.
O que resta é o presente
Porque o passado ficou pra trás.

E pra trás também fica a memória,
Fica o sentimento e toda lembrança.
E pra frente é a resistência,
Caminhando lado a lado com a esperança.

Esperança, sentimento bobo,
Inútil, sem serventia.
Aliás, serve pra uma coisa,
Serve pro banho de água fria.

Aquele que aparece
Todas as vezes que os olhos brilham.
Por ouvir palavras que encobrem a verdade
Do que sentiam.

Indizível

Uma coisa é dita
Mas outra coisa se quer dizer.
A mão que afaga
É a mesma que quer bater.

O “bom dia” vem do mesmo lugar
Do sussurro contido.
O sorriso vem da mesma boca
Que fala escondido.

Olhos e ouvidos
Já não sabem como ver e ouvir.
E decifrar mentiras que vem
De onde não deveriam vir.

É infinito o poder
De paralisar.
Quando, na verdade,
O certo seria ensinar a andar.

Vejo com pesar que existem coisas
Que valem a pena a insistência.
Com tristeza, à conclusão
Chega à minha consciência.

O que uma vez foi forte
Hoje está quebrado.
Os pedaços se espalharam
por todo lado.

De tanto remendo
Ficou tudo cheio de marcas.
E agora é tarde,
Muito tarde para apaga-las.

Existem coisas que realmente
Não se recupera.
Por mais que seja o que
O coração espera.

O jeito agora é lamber as feridas
E seguir em frente.
Até porque pra ocupar o lugar,
Tá cheio de gente.

Fica a mágoa do que
Poderia ter sido.
Fica o suspense de tudo
O que foi vivido.

Fecha o ciclo, fecha os olhos
E segue o caminho.
O caminho segue, parado ou andando,
Com gente ou sozinho.

Raquel Núbia