DIA #10 – 30 DAY CELEBRATION

10

Não sei se consigo listar 7 coisas. Não que não tenha, mas talvez sejam coisas mais amplas que envolvam coisas mais detalhadas, mas vamos lá, o que preciso melhorar:

– A forma como cuido da minha saúde;
Por que não conseguimos dar a nossa saúde a mesma importância que damos a outros assuntos da nossa vida? Eu, pelo menos, não consigo. Consultas de rotina sempre ficam para depois, exames periódicos sempre são adiados e por aí vai… E sei que preciso priorizar essa questão.

– Minha alimentação;
Seguindo a mesma lógica do item acima. Uma boa alimentação está diretamente ligada a uma boa saúde e isso também é uma coisa que preciso melhorar mais. O fato de não saber cozinhar muitas coisas e de não gostar dessa rotina me atrapalha bastante, mas não deve ser o motivo para se alimentar mal. Existem formas e eu preciso me adequar a elas.

– Minha tolerância à imprevistos;
Gosto e priorizo uma rotina estabelecida, principalmente no trabalho mas isso se aplica a todas as áreas da minha vida. Não há nada de errado nisso. Na verdade o que preciso melhorar é a minha tolerância na convivência com as pessoas que não tem tanto planejamento para as coisas como eu tenho. Ás vezes isso me gera um estresse sendo que, nem sempre há o que eu possa fazer a respeito.

– Minha tolerância no trânsito;
E alguém consegue ser 100% calmo dirigindo?
Só quando eu pego a estrada para viajar… Sinceramente, melhorar isso vai exigir muito esforço.

– Minha paciência
No geral tenho tendência a ser muito impaciente. Com quase tudo. Com pessoas que demoram muito para falar, com pessoas que são lentas para realizar alguma tarefa, com o vídeo que demora a carregar no youtube, com a comida que demorar a cozinhar e por aí vai. Não demonstro nem desconto isso nas pessoas (só às vezes), mas internamente a impaciência me inflama!

– Minha preguiça
Tenho muita preguiça para fazer algumas coisas e isso impacta até mesmo em alguns pontos que citei acima como em relação a saúde e a alimentação. Às vezes sinto que não tenho muita energia física (porque mental me sobra!). Será que preciso de uma vitamina? Mas aí precisaria ir ao médico para saber, então… Lembra ali do primeiro item? Então…

– Minha forma de demonstrar afeto
Costumo reservar minhas demonstrações de afeto para pouquíssimas pessoas e isso faz com que algumas pessoas importantes, com as quais me importo e pelas quais tenho grande carinho se sintam esquecidas quando, na verdade não estão.

E não é que consegui as sete oportunidades de melhoria?
Agora é só começar a trabalhar em todas elas.

Raquel Núbia

IMG_20170622_093243
Raquel Núbia. Foto: Leandro Oliveira – Tiradentes/MG

 

DIA #09 – 30 DAY CELEBRATION

9

Para responder ao tema do dia de hoje deixo aqui o link para a poesia Ciclotimia e compartilho abaixo mais alguns versos. Ao findar a leitura de ambas, será possível saber qual o momento mais difícil que já experienciei na minha vida.
Mas seguimos! Fortalecidos.

Depressus

Se carrega a tristeza nos olhos,
como pode ninguém perceber?
Toda dor que te cala e queima,
em um fogo que o faz perecer…

Se a falta de vida castiga,
e corrompe qualquer sentimento,
Como pode ninguém resvalar,
No que mostras a cada momento?

Se a anedonia da vida,
lhe retira a gana de viver,
Onde encontras sua volição,
Se em nada mais sentes prazer?

Se a morte de todos os desejos,
lhe rouba a paz do dia a dia,
Onde esperas achar atitude,
sem em nada mais tem alegria?

Na letargia dos dias que nascem,
se prostra cada vez que ouve o peito bater.
E ao pulsar o sangue outrora vivaz,
morres cada vez mais,
e a cada dia mais quer morrer.

Na sonolência daqueles que o cercam,
se despede de toda e qualquer temperança.
E ao sentir que nada vai lhe curar,
morres cada vez mais
e a cada dia mais morre a esperança.

Na cavidade profunda descansa.
E se cansa da profundidade.
E vive quando se quer morrer,
esperando que morra de verdade.

Raquel Núbia

Editada no Nokia Glam Me
Foto: Raquel Núbia

 

Sobre as incoerências do cotidiano

Engraçado (só que não) como a gente às vezes (quase sempre) cala um tanto de coisas e sai carregando conosco uma bagagem de frases não ditas, discussões não finalizadas, problemas e assuntos não resolvidos.
Já perdi a conta de quantas vezes testemunhei a incoerência acontecendo bem diante de mim e nem sempre pude me expressar, quase engasgando. Veja só:
De pessoas que se martirizavam por não poder amar, ouvi que meus olhos são vazios assim como meu coração.
De quem deixa em branco as páginas do que diz amar, ouvi que meus textos também são vazios (reflexo dos meus olhos e coração? Não sei…).
De pessoas que nem sabem o que faço e quais são meus resultados, ouvi que não sou boa profissional.
De pessoas que me cercavam com comentários e elogios enquanto eu me reservava o silêncio simplesmente por não ter nada de verdade a dizer, ouvi que sou traidora.
De pessoas que propagam o amo próprio, auto aceitação, autoestima e que lutam contra sua própria imagem no espelho por motivos alheios a sua própria vontade, já ouvi que pareço velha, feia e gorda (quão baixo o “ser humano” vai não é?).
De pessoas que se inteiram das minhas produções e não olham ao redor exatamente por se acharem o centro de tudo, ouvi que meus escritos e inspirações se baseiam num único tema/pessoa.
E já ouvi também que minha consciência pesada (a que julgam que eu tenho) um dia me adoecerá e cobrará um preço. Recebi esse comentário vindo de pessoas que são capazes de fazer justamente esse tipo de “acusação” (que está mais para um praga…) que não lhe deve sair da memória.
Dentro da cabeça todas essas conversas, discussões e resoluções existem e enquanto não verbalizamos (pela voz ou papel), pelo menos pra mim, continuam lá. Vamos deixando passar uma coisa ou outra, por um motivo ou outro e vamos seguindo e nos submetemos a esse tipo de experiência.
Sigo no aguardo de quantas incoerências mais ainda vão ser jogadas ao vento que me cerca, jogando malabares com o que tenho recebido equilibrando o meu desejo, a satisfação do outro e a loucura alheia.

Rio das Ostas (6)
Foto: Raquel Núbia – Rio das Ostras/RJ

Raquel Núbia

Pra hoje

Então me desculpe se eu não sei ser assim, como você.
Aprendi faz um tempo que a felicidade se esconde entre uma tristeza e outra e que os sorrisos verdadeiros costumam aparecer entre lágrimas teimosas. No final das contas só a gente sabe o tamanho dos pesos e das conquistas e às vezes fica complicado enxergar a nós mesmos com os olhos dos outros e tentar entender o que esse outro vê quando, na realidade, nem a gente sabe direito o que é e o que sente.

Então, não preciso pedir desculpas por não ser assim, como você. Não preciso me desculpar por ser como sou, nem preciso que você me desculpe.
Não preciso sequer que me aceite.
São tantos os momentos num só dia em que nem eu mesmo sei me acolher…
Se te faz feliz, faça de mim o que precisar para seguir em frente e, caso não precise, apenas me deixe continuar meu caminho.

img_3312
Raquel Núbia. Foto: Leandro Oliveira – Alto Caparaó/MG

Raquel Núbia

Manuscrito

E olha só pra mim… Que sempre precisei de um rascunho pra escrever, vendo a mão redigir a letra e depois a palavra, pra só então tornar público o que o coração sussurra e a mente fala, aqui catalogando de primeira o batucar do meu peito.
E como batuca esse sujeito…

Pensava antes em dizer como estou reaprendendo, reencontrando, recomeçando… mas agora o que pulsa é que no meio desse monte de segundas, terceiras e infinitas chances disfarçadas de novas oportunidades, eu ainda tenho me reservado o direito de sentir.

Sinto diferente pelas mesmas coisas, sinto diferente pelas mesmas pessoas, sinto diferente até pelos mesmos sentimentos e as vezes não sinto nada… não preciso sentir.

Por hoje guardo o caderno dos manuscritos e liberto os pensamentos no improviso, como tenho me permitido fazer, ainda que poucas vezes, nas últimas semanas.

Quem é de letra no papel tem dificuldade com a tela em branco. Quem é de coração cheio tem dificuldade com coisas vazias.

Mas a tela que era branca agora está cheia de significado e o que é vazio ao meu redor não consegue mais me esbarrar, pois estou preenchida demais, não há espaço para o que não importa.

images

Raquel Núbia