Sobre os dias que vivemos

Antes eu reclamava dos dias de chuva,
Pois eles não me permitiam sair.
A chuva que molhava a rua
Me tornava prisioneira quando insistia em cair.

Ainda assim eu via beleza nos dias cinzas e chuvosos que eu vivia,
Pois a nostalgia que me abrigava trazia inspiração na melancolia.

Inesperadamente a chuva resolveu aparecer e deixar seu cheiro.
Um mundo de gotas inundou o chão e o caminho inteiro.

Curiosamente não houve prisão.
Somente uma liberdade controlada.
Que me permite a vida lá fora, mas com hora marcada.

Ainda que houvesse céu azul e uma manhã ensolarada,
Ou mesmo que permaneçam as águas com o perfume de terra molhada.

A cor dos dias já não é capaz de pintar meu sentimento.
Pois o esforço é manter a força e energia a cada momento.

A chuva chora tantas vidas num sentimento absoluto.
Se fosse céu de brigadeiro ainda assim haveria luto.

Nem sol, nem chuva por si serão suficientes,
Pra curar um mundo, que muito além de um vírus, está doente.

Raquel Núbia

C177E513-9AAB-481B-8181-65558D3B5262
Foto: @raque__nubia – Muriaé/MG

8 respostas para “Sobre os dias que vivemos”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s