Poema da Ausência

E gentilmente, não olhou pra trás.
E foi embora andando devagar.
E num repente a sua imagem eu perdi.
E o coração seguiu pulsando a lamentar.

A falta quando é sentida faz sofrer.
E a ausência percebida faz sentir,
Mesmo que sofrendo devagarzinho
Em silêncio escondendo o choro de cair.

Por se separar de uma parte tão latente,
O tempo contado não diminui a estranheza
E o dia segue cheio de vazio.
E o céu de chuva também mostra sua tristeza.

Fica tudo com um tom acizentado.
É um pesar que chega quando se permite,
Ausência que me faz tão pequenina.
Que torna até minha felicidade, triste.
art-creative-nature-photography-Favim.com-3911860
Raquel Núbia

Anúncios

Um comentário em “Poema da Ausência

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s